PM acusado de matar jovem em boate do Rio vai a júri na 3ª

Policial fazia a segurança do filho de promotora pública, quando teria disparado para apartar briga em Ipanema

Elvis Pereira, estadao.com.br

06 Outubro 2008 | 20h00

O policial militar apontado como o autor do disparo que matou o estudante Daniel Duque em frente à Boate Baronetti, em Ipanema, será julgado no 3.º Tribunal do Júri da capital fluminense nesta terça-feira, 7. Segundo o Tribunal de Justiça do Rio, o juiz Sidney Rosa da Silva presidirá o júri popular, previsto para começar às 13 horas.   Veja também: Solto policial acusado de matar jovem em boate no Rio Manifestantes pedem justiça por jovem morto em boate Filho de promotora do Rio diz que segurança foi agredido   Na madrugada de 28 de junho deste ano, o PM Marcos Parreira do Carmo fazia a segurança do filho da promotora Márcia Velasco, Pedro Velasco, quando houve uma briga entre freqüentadores da casa noturna, na zona sul do Rio. Para tentar afastar os jovens, o PM teria efetuado disparos. Um deles acertou Duque, de 18 anos, que morreu antes de chegar ao hospital.   Inicialmente, o julgamento estava previsto para o próximo dia 30, mas acabou antecipado a pedido do advogado da família da vítima e por conta das exigências da Lei 11.689/2008, que alterou os procedimentos da Corte a fim de acelerar o julgamento de crimes dolosos, consumados ou tentados contra a vida. Carmo aguarda o julgamento em liberdade desde 14 de julho.

Mais conteúdo sobre:
Rio Ipanema boate MP promotores

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.