PM admite falha na segurança do presídio em Taubaté

A Polícia Militar pretende reformular o esquema de segurança externa do Hospital de Custódia e Tratamento Psiquiátrico Dr. Arnaldo Amado Ferreira, dentro da Casa de Custódia da cidade. A reformulação deve acontecer nos próximos dias em função da fuga do preso Luciano Ferreira da Silva, o Pernambuco, ocorrida na madrugada de hoje. A Polícia Militar confirmou que no momento da fuga o hospital da Casa de Custódia não contava com a segurança de policiais na parte externa. O tenente Paulo Ribeiro, representante do comando da PM de Taubaté, afirmou que toda a segurança externa próxima do hospital do presídio será revista pela polícia. Silva estava no hospital do presídio desde o dia 20 de novembro, onde passaria por uma avaliação psiquiátrica. Ele cumpria pena por furto e homicídio no CDP (Centro de Detenção Provisória), da Vila Independência, na capital. De acordo com a assessoria de imprensa da Secretaria de Administração Penitenciária, a fuga de Silva aconteceu 12 anos depois que dois detentos tentaram fugir do hospital. A Secretaria informou ainda, por meio da assessoria de imprensa, que no RDD (Regime Disciplinar Diferenciado), conhecido como anexo, criado em 1985, nunca registrou fugas. O anexo passou a ser o atual RDD depois da rebelião de dezembro de 2000, quando nove presos foram mortos nas 36 horas de motim no local. O anexo foi criado para receber presos perigosos de todo o sistema carcerário brasileiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.