PM apreende mais de 200 pássaros em SP

Soldados do 22º Batalhão da Polícia Militar, do bairro de Santo Amaro, acompanhados de militantes da Organização Não Governamental SOS Fauna, apreenderam hoje pela manhã mais de 200 pássaros e um sagüi mantidos ilegalmente em cativeiro em três casas em Pedreira, na zona sul da cidade. Oito pessoas foram presas na operação. Todas assim como os animais, foram encaminhadas para o 98° Distrito Policial.A ação dos policiais, comandados pelos tenentes Alexandre Couto Lopes e Márcio Ananias Licas, começou na Rua Silas Pereira, onde foram encontrados cerca de 40 aves e um sagüi. Policiais à paisana foram até a residência simular uma compra. Quando a negociação com a dona da casa, conhecida como Lurdes dos Passarinhos, estava em andamento, os PMs chegaram e deram voz de prisão. Dali, eles foram até uma outra residência, na mesma rua, e encontraram mais cerca de 15 aves. Nessa o proprietário não estava, mas mesmo assim os animais foram apreendidos.Convencida pelos policiais de que seria liberada se denunciasse seus fornecedores, Lurdes os levou até a rua Cardoso de Melo Neto, onde foi feita a maior apreensão. Lá havia cerca de 150 pássaros de várias espécies, entre as quais sabiás coleirinhas e galos-da-campina. Nas três casas os animais estavam em más condições, alguns já mortos.Tanto Lurdes dos Passarinhos como o dono da terceira residência, Panta Alves dos Santos, juraram inocência. "Esses pássaros não são meus", garantiu Lurdes. "Só estou guardando eles para o senhor que os deixou aqui ontem à noite."Santos usou quase as mesmas palavras para se defender. "Fiz amizade com um homem na feira e ele me pediu para tomar conta dos pássaros por alguns dias até ele levá-los para o Nordeste", jurou. "Eu ainda falei para ele que isso poderia dar cadeia." Sábias palavras. Junto com Lurdes e mais seis pessoas que estavam em sua casa, ele foi enquadrado na Lei 9.605 de proteção à fauna, e poderá pegar até um ano e meio de prisão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.