PM apreende três armas por hora em São Paulo

A Polícia Militar apreendeu de janeiro a maio 11.659 armas no Estado de São Paulo: 3 por hora, 78 por dia, 2.332 por mês. Em sua maioria, revólveres, pistolas e fuzis, usados em assaltos e assassinatos. Dos 2.331 homicídios praticados na capital, de janeiro a junho, 90% foram executados com arma de fogo. Os ladrões também usaram armas na maioria dos 53.161 assaltos e 23.688 roubos de automóveis ocorridos no primeiro semestre deste ano na capital. Os PMs das rondas voltam todos os dias para os quartéis com armas e munição encontradas com criminosos e também com pessoas sem antecedentes e sem autorização da polícia para carregar um revólver. "É preciso desarmar cada vez mais o bandido e a população. Se isso não ocorrer, vamos continuar a enxugar o chão com a torneira aberta", disse o coronel Eliseu Leite de Moraes, chefe do setor de Comunicações da Polícia Militar de São Paulo. O número de armas apreendidas aumenta a cada ano. Em 1999, os policiais militares apreenderam 26.209 armas. Em 2000, o número subiu para 28.188. Em 2001, o aumento foi menor: 28.567. Nos primeiros cinco meses deste ano, já ocorreram 11.659 apreensões. As armas apreendidas, segundo o coronel Moraes, em sua maioria, tem a numeração de identificação raspada e são entregues nos plantões da Polícia Civil. Muitas acompanham os inquéritos concluídos pela Polícia Civil e são encaminhadas para a Justiça. A outra parte é mandada para a Divisão de Explosivos da Polícia Civil, onde fica à disposição do possível proprietário. "Se em seis meses o dono não aparecer, a arma vai para o Exército para ser destruída", informou o delegado Francisco Pacífico de Miguelli, diretor da divisão. Via ParaguaiUm levantamento das Polícias Civil e Militar mostrou que mais de 70% das armas apreendidas em São Paulo entraram no Brasil pelo Paraguai. "É preciso reforçar o trabalho nas fronteiras e isto cabe à Polícia Federal", disse o coronel Moraes. Um exemplo da facilidade do ingresso de armas no Brasil ocorreu no mês passado, no Mato Grosso do Sul. Um soldado da PM mato-grossense-do-sul foi preso dentro de um ônibus, que seguia para Campo Grande, pelos patrulheiros da Polícia Rodoviária Federal. Em suas malas foram encontradas 50 armas e milhares de projéteis. O policial foi autuado e alegou que as armas compradas no Paraguai tinham sido encomendadas por amigos. Para os agentes federais da Superintendência da PF, as armas iriam para bandidos e traficantes. Nas regiões de Santo Amaro, zona sul, e São Mateus, zona leste, de janeiro a junho deste ano, ocorreram 1.162 assassinatos. Os homicídios foram praticados com armas de fogo. Uma simples discussão termina em troca de tiros. "Estamos dirigindo nosso trabalho, em Santo Amaro, com o objetivo de desarmar os moradores. Percorremos bares, salões, revistando, identificando as pessoas e prendendo os responsáveis pelos crimes", explicou o delegado Darci Sassi.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.