Reprodução
Reprodução

PM afasta tenente que matou a tiros cachorro da vizinha na Bahia

Policial teria se irritado depois que cão fez xixi no gramado de sua casa; governador disse que ação é 'inadmissível'

Heliana Frazão, Especial para O Estado

16 de junho de 2015 | 17h59

O tenente da Polícia Militar da Bahia, Wilson Santos, de 40 anos, lotado na cidade de Teixeira de Freitas, no extremo sul do Estado, foi afastado das suas funções, na segunda-feira, 15, por ter sacado uma pistola dentro do condomínio onde mora e feito vários disparos, matando um cachorro da raça Bulldog Francês, de quatro anos. O motivo da ira do policial, que estava de folga, foi o fato de o animal, que pertencia a uma vizinha, ter feito xixi no gramado da casa dele, quando passeava com a dona.

O caso aconteceu na manhã do sábado, 13, e teve grande repercussão. Nas redes sociais, circulam as imagens gravadas pelas câmeras de monitoramento do conjunto residencial Atlântico Ville, onde tudo aconteceu. Até mesmo o governador Rui Costa (PT) disse ter assistido ao vídeo "com indignação" e determinou ao comandante da corporação, Anselmo Brandão, a adoção das "providências necessárias".

Em postagem em uma página na internet, o governador afirmou que a ação do PM é "inadmissível" e não corresponde ao comportamento esperado por um integrante da polícia "nem de nenhum cidadão de bem". "A Polícia Militar da Bahia há 190 anos orgulha a nossa população", disse Costa. 

Ao todo, o tenente atirou seis vezes na direção da advogada Bruna Holtz Carvalho, de 26 anos, e dos seus dois cachorros, um Bulldog e um Golden Ritriever, atingindo, no entanto, apenas o primeiro. O animal morreu na hora. Temendo ser ferida, ela saltou um muro com o outro cão. A advogada reside há pouco mais de um mês no local. Ela contou na delegacia, onde registrou ocorrência, que o policial agiu com arrogância e truculência e ainda lhe perguntou se ela sabia quem ele era.   

A Polícia Militar afirmou que o tenente permanecerá afastado enquanto durar a investigação. De acordo com o tenente-coronel Valci Serpa, diretor do Colégio da Polícia Militar (CPM) de Teixeira de Freitas, onde Wilson Santos trabalha, o policial já respondia a outro processo disciplinar da corporação, que estava em fase final, e tramitava na cidade de Medeiros Neto. Não foi informado o motivo da abertura do processo. Também não foi descartada a possibilidade de expulsão do militar da corporação. O tenente não foi localizado pela reportagem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.