PM de SP diz que tem plano para enfrentar apagões

A eventualidade dos apagões não assusta e nem vai surpreender o comando da Polícia Militar em São Paulo. Quem garante é o comandante geral da PM, coronel Rui César Melo, que comandou o plano de emergência em São Paulo durante o apagão de março de 1999. ?Temos um plano geral de ação pronto e estamos esperando informações do governo federal para concluir detalhes?, afirma.O plano prevê, segundo Melo, remanejamento e deslocamento e tropas para as regiões dos apagões e utilização da tropa de choque em situações especiais. ?Ao contrário do que ocorreu em 99, agora os apagões serão programados e isso facilitará a prevenção?, assegura. De acordo com ele, em 1999 os índices de criminalidade reduziram no dia do apagão.O coronel atribui o resultado inesperado de 1999 à ?rápida atuação dos órgãos de segurança? nos meios de comunicação. Ele lembra que foram lançados repetidos alertas para que a população não ficasse nas ruas ou nos bares e centros comerciais às escuras. ?A resposta foi imediata?, lembra.Os chamados ?pontos críticos? da cidade de São Paulo já estão mapeados, de acordo com o coronel, e a principal preocupação durante os apagões será com o trânsito nas grandes vias de acesso.?Com os deslocamentos programados de tropas, não acredito que tenhamos problemas maiores de segurança, mas a questão do trânsito não depende apenas de nós?, avalia Melo. A atenção maior do plano é com as marginais e com as vias de acesso às estradas. ?Utilizaremos esquema especial de motos e helicópteros para monitorar e agir durante prováveis congestionamentos?, adianta. Melo acredita que aumento de ocorrências de incêndios provocados pelo uso de velas durante os apagões será irrisório, mas antevê um maior número de acidentes de trânsitos, de pessoas presas em elevadores ou em casas e escritórios dotados de sistemas de segurança.De acordo com Melo, a PM já tem em número suficiente os equipamentos especiais que podem ser necessários durante os apagões, como lanternas e sistemas reflexivos para os policiais utilizarem nas fardas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.