PM derruba 145 barracos irregulares em Brasília

A Polícia Militar do Distrito Federal derrubou nesta terça-feira 145 barracos construídos irregularmente em uma área pública de Ceilândia, uma das cidades satélites de Brasília. As 174 famílias que vivem no local resistiram à operação e entraram em choque com os 500 policiais que participaram da ação, provocando prisões e feridos.Os moradores do Parque Vaquejada, como é conhecida a área, alegaram que um suposto assessor do governador José Roberto Arruda, chamado José Nilton, teria lhes vendido os lotes. O governador negou que tivesse qualquer assessor com esse nome e determinou a abertura de uma investigação sobre o caso."É um absurdo o que fizeram ali, é uma área de uso comum da população, um espaço de lazer, não pode ser loteado", afirmou o secretário de Habitação, Cássio Taniguchi, ex-prefeito de Curitiba.Há anos que o Distrito Federal convive com casos como esse, de ocupação irregular de terrenos públicos. Segundo Taniguchi, as famílias retiradas não serão transferidas para outros lotes públicos nem serão indenizadas. "Não se pode admitir que pessoas sem alvarás construam em locais ilegais e fiquem na impunidade". De manhã bem cedo, antes do início da operação, os invasores se concentraram na tentativa de evitar as derrubadas e queimaram pneus para impedir a passagem dos tratores. Muitos entraram em casa e se recusaram a sair. "Só saio daqui morto", disse um dos moradores, Mauro Roberto Santos, com um bebê de cinco meses no colo.A assessoria da Secretaria de Ação Social e Trabalho informou que irá encaminhar os moradores em situação mais crítica para um albergue. Mas levantamento feito pelo órgão indica que a maioria das pessoas tem para onde ir. Alguns vieram de outros Estados e, se quiserem, terão as despesas com passagens de ônibus pagas pelo governo do Distrito Federal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.