PM desaloja sem-teto em SP com bombas de gás

Numa operação tensa que mobilizou 100 policiais militares, 255 famílias de sem-teto foram desalojadas nesta terça-feira pela manhã de um prédio na região central da cidade ocupado havia cerca de um mês.A retirada começou às 6h30, quando os policiais arrombaram um portão de ferro do edifício, que estava bloqueado por uma barricada erguida pelos moradores. A PM lançou duas bombas de efeito moral e três de gás lacrimogêneo. Houve pânico, especialmente entre as crianças. Algumas saíram chorando, tossindo, com olhos vermelhos.Segundo o Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto da Região Central (MTST-RC) - responsável pela ocupação - havia 181 crianças de até 12 anos e 76 de 12 a 18 anos no prédio. A reintegração de posse foi determinada pelo juiz Luiz Beethoven Giffoni Ferreira, da 18ª Vara Civil do Fórum João Mendes, que acolheu o pedido de um dos proprietários do imóvel, Marcelo Lucchesi.O prédio, na Rua Rodolfo Miranda, 88, Bom Retiro, tem sete andares e já foi usado pelo INSS. À tarde, técnicos da Secretaria Municipal de Assistência Social, Secretária Municipal de Habitação e da subprefeitura definiram que as famílias com crianças pequenas que não tivessem para onde ir ficariam no refeitório da subprefeitura.Para o coordenador-geral do movimento, Hamilton da Silva, de 41 anos, a saída é insuficiente. "As creches e as escolas municipais entraram em férias, não custava nada mandar as famílias para lá provisoriamente." Ao todo, cerca de 680 pessoas foram desalojadas.Parte delas permaneceu no prédio da Subprefeitura da Sé. A maioria, porém, acompanhava a retirada de seus pertences em quatro caminhões enviados pelos proprietários do prédio. O MTST decidiu encaminhar a ?mudança? para três prédios, também no centro, onde estão outras famílias do movimento.Refeita do susto e do efeito do gás, Natália, de 8 anos, respirava aliviada após fazer inalação numa ambulância. "A fumaça ardeu a garganta e o nariz." Natália só queria saber quem tiraria suas coisas do prédio. "Tem minha roupa, meus tênis, material da escola, a minha boneca e as panelinhas."Nesta terça-feira, outras 150 pessoas foram retiradas de um terreno próximo ao km 20 do Rodoanel, entre São Paulo, Osasco e Cotia. As famílias haviam armado barracas no local. A reintegração de posse teve início às 5 horas e não tinha hora para terminar, segundo informou à tarde o 16º Batalhão da Polícia Militar, um dos três batalhões que apoiaram a retirada.

Agencia Estado,

17 de dezembro de 2002 | 23h10

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.