PM é absolvido por morte após perseguição na Anhanguera

O policial militar Douglas Rodrigues Teixeira, de 34 anos, foi absolvido por 4 votos a 3 em um júri popular que durou oito horas em Limeira, a 150 quilômetros de São Paulo. Ele foi denunciado pelo Ministério Público Estadual por matar, com um tiro à queima-roupa, Edson de Souza Barbosa, 18, na noite de 11 de março de 2005, durante uma perseguição na rodovia Anhanguera, interior paulista.A ação da polícia foi gravada por câmeras de segurança da concessionária AutoBAn. Barbosa teria participado de um furto a uma loja de operadora de telefones celulares, no centro de Limeira, junto com ao menos outras dez pessoas. A ação do grupo foi gravada pelas câmeras da loja. Nas buscas pelos ladrões, segundo a polícia, houve perseguição e troca de tiros. Na rodovia, o carro onde estava o rapaz saiu do controle e bateu no barranco. Outras pessoas que estavam no veículo conseguiram fugir.De acordo com a perícia, Barbosa ficou preso nas ferragens. As imagens mostram o policial provavelmente conversando com ele. Teixeira levanta o braço do rapaz e em seguida atira. O policial sempre alegou que Barbosa estaria armado e que esboçou alguma reação."Não ficou provado sequer que o Edson morreu em razão do tiro", disse o advogado do policial, Ronaldo Tovani, em frente ao Fórum, depois do julgamento. O promotor Luís Bevilacqua, afirmou que o júri deveria ter levado em consideração que o laudo da perícia informa que a causa da morte foi determinada por "objeto perfuro-contundente", o que seria um disparo de arma de fogo. A promotoria vai contestar a decisão do júri. Tem oito dias para isso.Teixeira chegou a ficar preso em Romão Gomes, presídio da Polícia Militar de São Paulo. Saiu em janeiro deste ano por decisão judicial baseada em um laudo médico. Ontem, ele deixou o Fórum com a família que acompanhou o processo. Ministério Público quer também o julgamento do cabo Antônio Marques, que comandava a operação, por omissão. A Justiça não acatou o pedido. Os promotores recorreram da decisão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.