PM e adolescentes são presos após sequência de crimes no Rio

Em carro roubado, soldado e garotos de 14 e 17 anos assaltaram quatro pessoas e trocou tiros com a polícia

Pedro Dantas, O Estado de S.Paulo

15 de outubro de 2009 | 13h27

O soldado da Polícia Militar Diego Luís Carvalho Varanda, de 23 anos, foi preso na noite de quarta-feira, 15, após liderar roubos contra pedestres no subúrbio do Rio. Os comparsas do PM eram dois adolescentes - de 14 e de 17 anos - este último é filho de um sargento da PM. O grupo, que estava em um Renault Kangoo roubado na semana passada, assaltou três pessoas em frente a um condomínio em Anchieta, e um homem em Piedade e trocou tiros com policiais.

 

De acordo com a polícia, após os assaltos, o trio atirou contra uma viatura estacionada, que reagiu e iniciou uma perseguição pelos subúrbios do Rio. A ação terminou depois que os assaltantes bateram o carro na Rua Bernardo Guimarães, em Quintino, e se renderam. Dentro do veículo usado pelos criminosos, duas pistolas Taurus calibres 365 e 380, seis celulares, dinheiro e vários documentos das vítimas dos roubos foram encontrados.

 

Policial há um ano e nove meses, o PM era lotado no 23.º Batalhão de Polícia do Leblon, na zona sul. Ele e os comparsas foram reconhecidos pelas vítimas na delegacia, que contaram que foram ameaçadas de morte com armas apontadas pelo PM e um dos adolescentes.

 

A ousadia surpreendeu investigadores, colegas de farda do soldado e até o delegado. "É um absurdo um policial lotado no Leblon praticar crimes no subúrbio do Rio com dois adolescentes. Onde vamos parar?", desabafou Sérgio Lomba, delegado titular da 24ª Delegacia de Polícia de Piedade, que investigará o caso.

 

Armas e munições usadas nos crimes e apreendidas com o policial e os dois jovens

 

O PM foi autuado por tentativa de homicídio, receptação de carro roubado, corrupção de menor e roubo qualificado. Ele foi encaminhado para o Batalhão Especial Prisional. Os adolescentes foram autuados por roubo e receptação e um deles também responderá por porte ilegal de arma e tentativa de homicídio. Ambos foram encaminhados para a Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente.

Tudo o que sabemos sobre:
violênciaRioPMpolíciabanda podre

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.