PM e CET guincham um veículo a cada 20 minutos

Em outubro, foram 2.226 remoções em São Paulo; responsável por 68% das operações, a polícia recebeu dez equipamentos da companhia

Marcela Spinosa e Naiana Oscar, O Estadao de S.Paulo

18 de novembro de 2008 | 00h00

Três meses depois de retomado o serviço de guinchamento com a contratação de 48 equipamentos terceirizados pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), São Paulo atingiu em outubro a marca de um veículo rebocado a cada 20 minutos. No mês passado, houve 2.226 resgates, ante 1.153 em agosto - aumento de 88,51%. Dez veículos foram emprestados à Polícia Militar - hoje responsável por 68% dos guinchamentos na cidade, com total de 1.504 remoções nas blitze da lei seca e outras operações. O contrato da CET entrou em vigor em julho.Os guinchos da CET rebocam veículos estacionados em locais proibidos. O número de apreensões cresce: em julho, a partir do dia 23, foram 96 remoções; em agosto, o número subiu para 383 veículos; em setembro, chegou a 594. Outubro terminou com 722 veículos levados aos pátios. Os PMs, além de verificar embriaguez, analisam documentos. Quando estão irregulares, o veículo é recolhido.O serviço da CET estava defasado desde o fim de 2004. Nesse período, a companhia contava com 40 equipamentos, usados prioritariamente para remover veículos quebrados. Agora, há capacidade para recolher 5 mil carros por mês. Quando um carro é guinchado, um cavalete é colocado. É o que aconteceu, por exemplo, com um Fiat Palio estacionado, às 13 horas de ontem na frente de uma garagem na Vila Mariana, zona sul. O acesso foi liberado às 16h20 e o dono terá agora de ligar para o 156. Até as 18 horas, o proprietário não havia aparecido. Para retirar o carro, terá de pagar o guinchamento (R$ 353,80), a diária do pátio (R$ 27,20) e a multa por estacionamento irregular. Para Julyver Araújo, presidente da Associação Brasileira de Profissionais de Trânsito, a deficiência do serviço era um convite para infrações. " A multa tem um efeito demorado. Se a pessoa percebe que pode ficar sem o carro, o efeito é outro." O contrato de R$ 64 milhões, assinado em maio - com 36 meses de duração - prevê três novos pátios. A previsão é de que até o fim deste mês todos entrem em operação, na Vila Maria, no Jaguaré e no Socorro.LEI SECADesde que a PM recebeu 10 guinchos da CET, 3.822 veículos foram apreendidos. As infrações mais verificadas foram falta de licenciamento, placa ilegível ou adulterada e habilitação vencida. "Nas abordagens, os policiais fiscalizam o veículo e o condutor. As blitze ocorrem todos os dias e causam um número muito elevado de remoções", explicou o major Ricardo Fernandes Barros, do 34º Batalhão da PM.Na sexta-feira, a reportagem acompanhou uma blitz, na zona norte. Dos 13 carros abordados, cinco foram levados ao pátio. Entre eles o do músico Maurício Sarfartis, de 30 anos, que conduzia sem a placa dianteira. "Poderiam ter aliviado. A placa está no carro e caiu durante a chuva." Ele cometeu infração gravíssima, recebeu multa de R$ 191,54 e vai levar 7 pontos na carteira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.