PM é preso por suspeita de ligação com Vado

O programa de variedades Fantástico da TV Globo, levou ao ar neste domingo reportagem com gravações telefônicas que ligavam o traficante Valdir Ferreira, o Vado, a um esquema de corrupção com policiais do 3.º BPM (Batalhão da Polícia Militar) do Rio de Janeiro. Vado comandava o comércio de drogas na Favela do Jacarezinho, na zona norte da cidade, e foi morto há uma semana num confronto com PMs. O Estado obteve da assessoria do secretário de Segurança Pública do Estado do Rio, Roberto Aguiar, a informação de que um sargento do 3.º BPM está preso por causa das investigações preliminares dos "grampos telefônicos".Ele foi o pivô de uma polêmica envolvendo o cantor Belo, depois de a Polícia ter divulgado, duas semanas atrás, outras gravações que mostravam uma relação muito próxima entre os dois. A reportagem do Fantástico reproduziu trechos de conversas em que Vado negocia "propina" com um policial e também em que o ex-chefe do tráfico no Jacarezinho é alertado por outros traficantes sobre a presença de PMs no local. Vado fala ainda de "falsas apreensões" de drogas por policiais. Em 13 de agosto, policiais estavam na favela e procuravam traficantes para negociar. Vado então recebe um telefonema de um comparsa. - Pede pro Lulinha ir lá, tipo dar cem reais a eles, tá ligado. Tá ouvindo? E pra eles voltarem mais tarde, umas seis horas, assim pro Lulinha dar um bagulho pra eles apreenderem, entendeu? Preto e branco - diz Vado. Outra gravação, feita em 16 de agosto, deixa claro que policiais voltaram para buscar dinheiro: - Os caras estão zoando o morro todo, tá tudo espalhado. Aas bocas estão todas paradas - alerta outro suposto traficante. - Manda o Lulinha falar com eles que hoje tem idéia, o dinheiro deles lá - responde Vado. - Eles falaram que tá uma merreca e enquanto estiver uma merreca, não vão sair. - Manda o Lulinha falar com eles que mais tarde a gente dá o dinheiro deles - ordena Vado. O mais grave, no entanto, estaria reservado para o dia 18 de agosto, quando Vado trata diretamente com um policial o pagamento de "propina". Antes, pede que o intermediário dê seu número de telefone para o PM. - Fala Francisco! - cumprimenta Vado. - Quem é, Bebeto? Fala, Bebeto. É o comandante do mês. E aí? - responde o policial, chamando Vado pelo apelido de Bebeto. - Tranqüilidade. - Tá tranqüilo? - pergunta o PM. - Então, o que acontece? Daqui a pouco, quando começar a vender "as carnes" lá, legal, eu mando lá pra vocês o negócio - diz o traficante. - O Lulinha veio me dar uma idéia, falou que hoje você ia mandar um negócio até 3 horas. Pô, domingo passado você ficou de mandar uma mistura pra gente fazer uma apreensão, mas não veio a mistura - protesta o policial. (mistura, no caso, significa droga de má qualidade.) - Aí o Lulinha veio dar uma idéia, que ia mandar uma mistura e ia mandar cem reais pra gente tomar cerveja. Mas não dá pra mandar agora cedo, não? A gente faz logo a apreensão e fica tranqüilo - continua o PM. O Fantástico ouviu o comandante do 3.º BPM, tenente-coronel Paulo Augusto Mouzinho. Ele disse que a PM não admite desvio de conduta e que a corporação tem como norma punir qualquer policial envolvido em delitos. "Nós somos rigorosos." Acrescentou que esses casos de corrupção, se comprovados, resultam na exclusão do PM envolvido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.