Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

PM encontra drogas, armas e uma prostituta em presídio mineiro

A Polícia Militar de Minas Gerais (PM-MG ) fez uma revista no início da manhã de hoje na Penitenciária José Maria Alkimim, em Ribeirão das Neves, região metropolitana de Belo Horizonte. Os policiais encontraram celulares, armas brancas e drogas.Cerca de 100 detentos, em protesto contra regalias de alguns presos, iniciaram uma rebelião na noite da sexta-feira e tomaram 17 pessoas como reféns por mais de 18 horas. No sábado, os reféns foram trocados por parentes dos detentos, mas o motimsó foi controlado na manhã de hoje.A revista da PM se iniciou por volta das 7h e durou três horas. De acordo com o major Alex Lucas Alves, foram encontrados em poder dos presos cinco celulares, carregadores, maconha, crack, além de facas e outros objetos cortantes. A PM informou que os detentos foram recolhidos para os pavilhões e não havia mais parentes dentro das celas.Durante o fim de semana, os presos mantiveram o controle do presídio. A revista da PM não encontrou nenhuma arma de fogoem poder dos amotinados, mas os agentes penitenciários recusavam-se a voltar ao presídio. Eles alegam falta de segurança para o exercício da função e que armas podem estar entrando na penitenciária dentro de eletrodomésticos. Durante a rebelião, policiais chegaram a trocar tiros com os presos.O presidente da Associação dos Servidores da Secretaria de Estado da Justiça e Direitos Humanos (ASSEJDH), Marcos Terrinha, disse no final da manhã de hoje que aguardava uma portaria do governador Itamar Franco (sem partido) proibindo acirculação de presos dentro do presídio.Ele alega também que várias pessoas entraram no presídio na noite de sábado, sem qualquer tipo de controle ou revista, e alguns poderiam ter permanecido nas suas dependência. No sábado, uma mulher, supostamente uma garota de programa, foi descobertano interior da penitenciária. Ela estaria há uma semana dentro do presídio.ChurrascoEnquanto dominavam o presídio, os presos depredaram o setor administrativo, danificando equipamentos. A despensa foi saqueada e os detentos teriam feito hoje um churrasco com a carne roubada. No fim de semana, policiais apreenderam mais de 30 quilos de carne e sacos de arroz e farinha com pessoas que estavam com os rebelados e tentaram sair do presídio com os mantimentos roubados.No início da tarde de hoje, a Secretaria de Estado da Justiça e de Direitos Humanos de MG contestou informaçõesdivulgadas de que 400 recuperandos teriam fugido daPenitenciária José Maria Alkimim somente este ano. Segundo notadivulgada pela secretaria, a Superintendência de OrganizaçãoPenitenciária contabiliza em 2002 a fuga de 29 presos do regimefechado e "quebra de confiança" de outros 126 que cumpriamsentença em regime semi-aberto.

Agencia Estado,

04 de novembro de 2002 | 17h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.