PM, Exército e Bombeiros agora podem recolher armas

O diretor-geral da Polícia Federal, Paulo Lacerda, assinou na noite desta quarta-feira portaria para permitir o credenciamento de instituições militares de segurança e defesa civil, como Exército, polícias militar e civil e Corpo de Bombeiros, a fazer o recolhimento de armas em todo o País. A medida tem por objetivo descentralizar a coleta, hoje exclusiva da PF, para que a campanha de desarmamento chegue aos 5.600 municípios brasileiros. A mesma portaria permite o credenciamento de ONGs, igrejas e entidades civis na divulgação, mobilização popular e promoção de eventos destinados à devolução de armas. Mas nenhuma delas poderá receber nem reter armas. A meta é recolher 80 mil armas até dezembro.O Ministério da Justiça, que já aprovou o texto da portaria, vai pedir um reforço de caixa para completar os R$ 10 milhões colocados no orçamento para o programa. O diretor do Sistema Nacional de Armas da Polícia Federal (Sinarma), delegado Fernando Segóvia, considerou deplorável a ação movida pela Associação Nacional dos Delegados de Polícia (Adepol), que propõe que as armas sejam doadas às instituições policiais para uso em serviço, em vez de serem destruídas. "Além de tecnicamente inviável, essa idéia é absurda e não contribui para a redução da violência. Essas armas devem ser destruídas mesmo", enfatizou.Até quarta, havia sido recolhidas mais de 4 mil armas em todos os Estados. O Rio Grande do Sul continua liderando o ranking, com quase 500 unidades entregues. O governo federal paga indenização de R$100 a R$ 300 por unidade devolvida, conforme o calibre. Mas outras contribuições para o desarmamento estão sendo aceitas com garantia de anonimato para o autor. Na Paraíba, por exemplo, um morador entregou uma granada, de uso exclusivo das Forças Armadas. Outro levou nada menos que uma máquina de fabricação de munição. Como não se trata de arma de fogo, eles não receberam indenização, mas se disseram satisfeitos por terem colaborado com a campanha, segundo informou Segóvia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.