PM expulsa oficiais que balearam João Roberto

O cabo William de Paula e o soldado Elias Gonçalves Costa Neto, envolvidos na morte do menino João Roberto, foram expulsos da Polícia Militar. A decisão unânime da comissão que atuou no processo administrativo disciplinar foi publicada no boletim da PM de sexta-feira. O cabo vai recorrer. A defesa do soldado não foi localizada.João Roberto, de 4 anos, estava no carro da mãe, quando policiais confundiram o veículo com o de assaltantes e fizeram disparos, em 6 de julho do ano passado. Um dos tiros atingiu a criança na nuca. De Paula foi julgado no mês passado e absolvido pelo 2º Tribunal do Júri. No julgamento, o cabo reconheceu que confundiu o carro dos criminosos com o veículo em que estava João Roberto. Ele foi absolvido porque os jurados entenderam que o PM não tinha a intenção de matar a criança. Como os jurados só decidem a respeito de crimes contra a vida, o juiz Paulo Lanzellotti condenou o PM a dois anos de prisão pelo crime de lesão corporal sofrido pela mãe do menino, Alessandra Soares. O Ministério Público recorreu da absolvição.O nome do cabo consta do relatório da CPI das Milícias, como integrante de uma das organizações que atuam na zona oeste. Mas, segundo a Assessoria de Imprensa da PM, nada ficou provado até agora e a expulsão diz respeito à participação do policial na morte de João Roberto.

Clarissa Thomé, RIO, O Estadao de S.Paulo

13 de janeiro de 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.