PM impede na Bahia bloqueio de ruas por estudantes

Pequenos grupos de estudantes secundaristas tentaram bloquear novamente as principais avenidas de Salvador nesta segunda-feira, mas foram impedidos pela Polícia Militar que recebeu a orientação do governador Paulo Souto (PFL) de não permitir a interrupção do trânsito, o que provocou um verdadeiro caos na semana passada em Salvador. As manifestações começaram há uma semana desde que a Prefeitura de Salvador aumentou a passagem de ônibus de R$ 1,30 para R$ 1,50.A avenida Manoel Dias da Silva, na orla marítima, foi ocupada por dezenas de policiais militares no início da manhã diante da ameaça de estudantes de cursinhos pré-vertibular fechar o local. Diante da presença da PM os alunos desistiram. Na avenida Joana Angélica, centro, estudantes da Universidade Católica do Salvador chegaram a sentar na pista, provocando engarrafamento no bairro do Nazaré, mas logo foram retirados pelos policiais. Outra tentativa de impedir o tráfego de veículos ocorreu no bairro de Ondina onde alguns alunos do Colégio Isba, considerado de classe-média alta, tomaram a Avenida Oceania e logo foram retirados pela PM. No local os policiais utilizaram filmadoras e o helicóptero da corporação para intimidar os adolescentes. Depois foi chamada a tropa de choque. Até o início desta tarde não foram registrados conflitos.Lideranças do movimento estudantil, que negociaram com o prefeito Antonio Imbassahy (PFL) e a Câmara Municipal o congelamento da tarifa do ônibus por um ano e extensão do uso passe escolar para os finais de semana e férias, garantem que controlam 85% dos manifestantes, atribuindo os resquícios do protesto a grupos independentes. Os líderes e representantes da Câmara de Vereadores começaram a discutir hoje a desoneração da tarifa. O prefeito Imbassahy está propondo a redução dos impostos federal, estadual e municipal que incidem sobre a passagem para que haja uma redução de até 35% no seu valor.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.