PM invade presídio com 22 reféns em Iperó

A Tropa de Choque da Policia Militar invadiu no fim desta tarde, 20, a Penitenciária Estadual Odon Ramos Maranhão, em Iperó, região de Sorocaba, onde desde a manhã 1.200 presos rebelados mantinham 22 agentes penitenciários como reféns. Os policiais usaram bombas de efeito moral durante a tomada do presídio, que teve o apoio de helicópteros. Funcionários e agentes também acabaram sendo atingidos pelas bombas. A invasão ocorreu mesmo com a promessa dos líderes da rebelião de matar os reféns. Os amotinados já haviam destruído os telhados dos pavilhões e tinham usado barras de ferro para depredar as instalações. Eles também puseram fogo em colchões e móveis do setor administrativo. A ordem de invasão foi dada depois de 7 horas de negociações. Os presos reclamavam de maus tratos, opressão e não concessão de benefícios previstos na lei, além do excesso de lotação. A penitenciária tem capacidade para 852 presos. MotivosA Secretaria da Administração Penitenciária e a PM ainda não tem informações sobre feridos. Logo no início da rebelião, às 10h30, um agente quebrou a perna ao tentar escapar dos presos. A ação teria sido motivada por uma tentativa de fuga frustrada pelos agentes, segundo funcionários do presídio. Os presos pretendiam escapar pela tubulação de esgoto. No início do motim, os rebelados dominaram 16 agentes. Com a adesão dos presos do segundo pavilhão, outros 6 agentes foram feitos reféns. Os detentos pretendiam usar como escudos os presos jurados de morte, abrigados nas celas do chamado "seguro", mas estes foram protegidos a tempo pelos agentes. Essa foi a segunda rebelião nos 7 anos da penitenciária de Iperó, que era considerada modelo de disciplina no sistema prisional. Na semana passada, o antigo diretor, Fábio de Oliveira, foi substituído pelo atual, Vandelson José da Silva.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.