PM investiga PMs envolvidos na morte de 2 jovens

A Polícia Militar de Campinas, 95 quilômetros a noroeste de São Paulo, pediu prisão preventiva de cinco dias para 13 policiais da cidade envolvidos em uma operação que resultou na morte de dois jovens, na madrugada do último dia 7, em uma favela próxima ao Jardim Campos Elíseos. Os policiais foram levados na noite desta terça-feira para o Presídio Romão Gomes, em São Paulo.A ocorrência foi registrada como resistência seguida de morte. Os PMs relataram que os rapazes morreram durante tiroteio com a polícia. Duas armas, que estariam com as vítimas, foram apreendidas e encaminhadas para perícia, conforme a PM.Mas os parentes de William Douglas Santos, de 21 anos, e Fabrício Francisco da Conceição, de 24, afirmaram que eles foram executados pelos policiais. Segundo os parentes, os dois rapazes foram mortos depois de presos. Eles foram levados pelos policiais ao Hospital Celso Pierro, aonde chegaram sem vida, atingidos por tiros. A família afirmou que viu Santos ainda vivo dentro da viatura da PM.Segundo a major Maria Aparecida de Carvalho Yamamoto, do setor de Comunicação da PM, a prisão é um procedimento padrão e foi solicitada para que o inquérito ?possa ser conduzido com tranqüilidade, liberdade e lisura?.Ela disse que o inquérito é sigiloso, depende de perícias e laudos e acrescentou que o destino dos policiais depende das investigações. Eles podem ter a prisão prorrogada, ser libertados para retomar suas funções ou afastados para ocupar cargos administrativos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.