Google Street View
Google Street View

PM prende grupo suspeito de torturar duas meninas em Belo Horizonte

Três homens e três adolescentes teriam raspado o cabelo das crianças de 12 e 13 anos com tesoura e navalha; caso foi denunciado por moradores em redes sociais

Paulo Roberto Netto, O Estado de S.Paulo

31 Agosto 2018 | 03h06

SÃO PAULO - A Polícia Militar prendeu três homens e apreendeu três adolescentes suspeitos de torturar duas meninas de 12 e 13 anos na Vila Pinho, na região do Barreiro, em Belo Horizonte. Os policiais chegaram aos suspeitos por meio de denúncia de moradores divulgada nas redes sociais.

Segundo a PM, o crime ocorreu na quarta-feira, 29. As crianças tiveram os cabelos raspados com tesoura e navalha e sofreram agressões físicas e psicológicas. De acordo com moradores, os suspeitos acusavam as meninas de roubar um celular na região. Após a tortura, imagens e vídeos do crime foram enviados aos residentes do bairro. As menores foram expulsas da comunidade e uma delas ainda não foi localizada.

Após moradores denunciarem o caso pelas redes sociais, os policiais foram ao local do crime e encontraram três adolescentes, dois rapazes de 17 anos e uma jovem de 16. O trio confessou a tortura e indicaram mais três homens de 43, 18 e 20 anos como comparsas. A PM realizou um cerco na região e prendeu os suspeitos. O grupo, segundo policiais, pertenceria à gangue do traficante conhecido como "Dedé" que, apesar de preso, ainda comanda o tráfico de drogas na região.

No local da tortura foram apreendidos telefones celulares e pacotes com cocaína, maconha e crack.

Uma das meninas torturadas foi localizada pela Polícia Militar e encaminhada para o Hospital João XXIII, no centro de Belo Horizonte. Em seguida, ela foi levada para um abrigo municipal na região de Venda Nova, na capital mineira. A segunda vítima ainda não foi encontrada.

O caso foi encaminhado para a Delegacia de Plantão da Polícia Civil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.