PM quase frustra cerco a Andinho

Uma blitz das polícias militar e rodoviária na Rodovia do Açúcar, que liga a Castelo Branco a Itu, quase frustrou a operação da polícia civil que resultou na prisão de Wanderson Nilton de Paula Lima, o "Andinho", e de integrantes do seu bando, na última segunda-feira. Os carros com chapa "fria" que traziam a equipe do Departamento de Investigações Sobre Narcóticos (Denarc) de São Paulo, na noite de domingo para segunda-feira, toparam com o bloqueio e vários deles foram parados, por volta das 3h50. Os policiais civis tiveram de apresentardocumentos, mas relutaram em explicar as razões do aparato. Toda a ação tinha sido montada à revelia dos comandos regionais da PM, já que havia a certeza do envolvimento de pelo menos um policial militar com o bando. Criou-se um impasse, pois os policiais militares e rodoviários não queriam liberar os veículos sem a consulta a seuscomandantes. Os policiais civis insistiam na rápida liberação para dar prosseguimento à operação planejada. Parte da equipe de 17 policiais já estava a postos próximo da chácara ocupada pelo bando, no Bairro Itaim. Segundo as informações que corriam ontem entre integrantes da PolíciaCivil, chegou-se a cogitar o adiamento da operação. O impasse foi desfeito quando os chefes da equipe da polícia civil concordaram em abrir um espaço para os policiais militares na ação. Um helicóptero da PM ficou baseado em Salto, a cinco quilômetros da chácara, deu cobertura ao cerco que resultou nas prisões de "Andinho", do seu segurança, o policial militar Ronaldo Azevedo de Góis, e de Rosely deSouza Moura, mulher do PM e irmã do ex-policial Valdeci de Souza Moura, o "Fiinho", morto na operação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.