PM que matou Daniel Duque será julgado novamente

A 3ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio decidiu ontem cassar a sentença que absolveu o policial militar Marcos Parreira do Carmo do assassinato de Daniel Duque, de 18 anos, em junho do ano passado, durante uma briga em frente a uma boate em Ipanema, zona sul do Rio. Carmo, que fazia segurança para o filho de uma promotora de Justiça, havia sido absolvido por unanimidade pelo 3º Tribunal do Júri em outubro. Os jurados entenderam que o tiro foi acidental.O advogado Nilo Batista, que defende a família de Duque, recorreu da decisão e o PM irá a novo julgamento. Para o relator do recurso, desembargador Agostinho Teixeira de Almeida Filho, existiam incongruências na prova que maculam a decisão do júri. Para o advogado do réu, Nélio de Andrade, a decisão fere os princípios da íntima convicção e da soberania dos veredictos. O próximo julgamento ainda não foi marcado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.