PM que matou jovem por engano no Rio deve ser indiciado

O policial militar, Júlio César de Oliveira Lima, acusado de matar o entregador de pizza Bruno Ribeiro de Macedo, de 19 anos, morador da Favela do Jacarezinho, na zona norte do Rio, poderá ser indiciado sob acusação de homicídio doloso - com intenção de matar. Macedo foi baleado quando buscava socorro para levar o pai, João Rodrigues Ribeiro, de 77 anos, que sofrera um derrame, até um hospital próximo. O prazo para conclusão do inquérito que apura o crime é de 30 dias.Os dois PMs que faziam o patrulhamento na área prestaram depoimento e foram liberados. Lima disse que atirou duas vezes para o alto e, depois, na direção do rapaz, para evitar a fuga. Macedo estava com um amigo em uma moto e foi atingido quando abordava um taxista - ele teria sido confundido com um assaltante. Segundo os PMs, o rapaz teria forçado o taxista a sair do carro. O crime ocorreu em um dos acessos à favela. "Meu irmão colocou a moto no meio da rua. Quando veio o táxi, ele foi, fez sinal, o táxi parou, o colega dele entrou. Como a moto estava no meio da rua, ele foi colocar a moto no canto para entrar no táxi e poder buscar meu pai. Quando os policiais viram meu irmão tirando a moto do meio da rua, deram um tiro e o mataram", relatou uma irmã de Macedo."Pelos fatos que foram relatados, houve imprudência. Essa imprudência tem que ser julgada e penalizada", declarou o advogado da família Antônio Carlos Albano.Os policiais foram deslocados para serviços internos e o fuzil usado para atirar no entregador de pizza, apreendido. A Polícia Civil informou que o PM não foi preso porque se apresentou espontaneamente. Agora, serão ouvidas testemunhas, entre elas o taxista. Logo após o crime, o pai do rapaz foi ao Hospital Salgado Filho, no Méier, em uma Kombi por moradores do Jacarezinho, mas morreu no meio do caminho. A mãe, Célia Ribeiro de Macedo, passou mal ao saber o que tinha acontecido e foi atendida no mesmo hospital. O enterro dos dois deve acontecer na tarde deste sábado no Cemitério de Inhaúma.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.