PMDB e PT devem provar sabor dos próprios venenos

A teoria de Angelo Panebianco acerca dos partidos políticos parece que vai desafiar o cotidiano eleitoral de Minas. Para o cientista político italiano, países federativos tendem a possuir sistemas partidários descentralizados. Assim, o comportamento das legendas é mais compreensível em níveis regionais.

Análise: Humberto Dantas, O Estado de S.Paulo

08 de junho de 2010 | 00h00

Esse será o desafio que PT e PMDB terão que enfrentar nas disputas locais. Unidos em torno da super-popularidade do Executivo, as legendas compreenderam que separadas não seriam capazes de fazer sombra à força de Aécio Neves e de seu candidato, Antonio Anastasia. O PT, nesse caso, prova de seu próprio veneno, sendo desafiado pelo mesmo gigantismo que sustenta Lula no Planalto.

Esse mesmo Lula teve peso significativo na decisão de apaziguar ânimos e "unir forças" em Minas Gerais. Preocupado em constituir um palanque sólido para Dilma Rousseff, o presidente forçou a aliança em nome de uma coesão aparentemente artificial. Nesse caso, se o objetivo do Planalto é mostrar que o todo é maior que a soma das partes, o que soa como lógico terá um novo desafio: o encantamento.

Assinar uma ficha de aliança é tarefa das menos significativas para um partido que tem na força de sua militância o imperativo de suas ações. Apoiando o PMDB, Pimentel pode até se comportar de forma exemplar. Mas raramente o principal jogador do time ganha a partida quando joga sozinho.

Sem a garra da militância, o PT tem tudo para ser um parceiro frio para o PMDB. Assim, na disputa mineira é pouco provável que o olhar do petista se encante com Hélio Costa. Enquanto Aécio e Pimentel provavelmente rumarão para o Senado, Costa terá a sensação de provar do próprio veneno, pois não existe partido mais descentralizado e sem harmonia nacional que o seu próprio PMDB.

É DOUTOR EM CIÊNCIA POLÍTICA PELA USP, PROFESSOR DA FAAP E CONSELHEIRO POLÍTICO DO MOVIMENTO VOTO CONSCIENTE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.