PMDB pró-Dilma faz ofensiva em SP

Dissidente da posição do partido no Estado, prefeito de Rio Claro, Du Altimari, pede o engajamento dos peemedebistas em nome de Temer

Malu Delgado, O Estado de S.Paulo

04 de setembro de 2010 | 00h00

O PMDB decidiu fazer uma ofensiva em São Paulo pedindo a dirigentes e políticos da sigla, oficialmente dissidentes no Estado, que votem na dupla Dilma Rousseff (PT) e Michel Temer (PMDB) para decidir a eleição presidencial no primeiro turno.

Em carta postada ontem a cerca de 2.000 filiados, o coordenador do comitê suprapartidário Dilma-Michel, o prefeito de Rio Claro, Du Altimari, pede o engajamento dos peemedebistas, em nome de Temer, e cita a célebre frase de Ulysses Guimarães com intuito de aproximar o partido de Dilma e distanciá-lo de José Serra (PSDB) no Estado: "Em política, você não pode estar tão próximo que amanhã não possa estar distante, nem tão distante que não possa se aproximar".

"Essa frase dá a dimensão do que estamos enfrentando neste momento", afirmou Du Altimari. A reação do PMDB paulista, sob o comando de Temer, ocorre dias após os tucanos terem tentado dar uma demonstração de força no Estado com a reunião de mais de 350 prefeitos.

No encontro pró-Serra e pró-Geraldo Alckmin, candidato do PSDB ao governo, realizado na quarta-feira, o prefeito peemedebista de Santos, João Paulo Tavares Papa, foi escolhido porta-voz. Para o coordenador do comitê suprapartidário Dilma-Michel, está instalada a polêmica entre os paulistas do partido: "Quem está apoiando Serra e quem está apoiando Temer?".

"Hoje, o presidente nacional do nosso partido e nosso candidato a vice-presidente da República, Michel Temer, precisa do engajamento entusiasmado de todos os companheiros, principalmente dos prefeitos, vereadores e militantes partidários, de todo o Estado de São Paulo, para juntamente com Dilma se elegerem, logo no primeiro turno, nas eleições do próximo dia 03 de Outubro de 2.010, para o Brasil continuar mudando!", diz outro trecho da carta enviada a prefeitos e deputados peemedebistas.

Visita. Du Altimari, que assina o texto, convida ainda os peemedebistas a visitarem o local para discutirem orientações sobre a campanha e retirarem material.

Com a liderança de Dilma nas pesquisas de intenção de votos. o presidente da Câmara, Michel Temer, assume gradualmente a responsabilidade de coordenar a campanha no Estado e aumentar o assédio sobretudo aos prefeitos do PMDB, convidando-os a ingressar na campanha da petista Dilma Rousseff.

Em recente comício em Osasco, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva deixou claro que a vitória de Dilma e do candidato petista ao governo de São Paulo, Aloizio Mercadante, são suas prioridades. Lula afirmou ainda que entrará com entusiasmo na campanha pelo interior e conclamou os militantes petistas a deixarem Michel Temer "cuidar" da campanha na capital.

Nos bastidores, Temer tem feito intensas articulações para atrair a simpatia dos prefeitos. O presidente da Câmara conta com a ajuda do ministro paulista Wagner Rossi (Agricultura).

Engajamento

"Hoje, o presidente nacional do nosso partido e nosso candidato a vice-presidente precisa do engajamento entusiasmado de todos os companheiros"

TRECHO DA CARTA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.