PMDB se arma para eleger 100 prefeitos em SP

Partido programa lançamento de candidatos próprios com o objetivo de recuperar redutos que perdeu para os rivais PSDB e PT no interior paulista

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

13 de maio de 2011 | 00h00

SOROCABA

O PMDB deve lançar candidaturas próprias a prefeito na maioria dos 645 municípios do Estado de São Paulo. A ação, comandada de Brasília pelo vice-presidente Michel Temer, faz parte da estratégia do partido para recuperar antigos redutos eleitorais no Estado, perdidos principalmente para o PSDB e para o PT.

"Vamos ter candidaturas a prefeito no maior número de cidades e, onde isso não for possível, temos de garantir o vice", afirmou o ex-deputado federal e ex-prefeito de Sorocaba Renato Amary, coordenador da sigla na região. Segundo ele, além das candidaturas próprias, a legenda vai investir na formação de chapas completas no maior número possível de cidades, a fim de ampliar o quadro de vereadores nos municípios paulistas.

A meta estabelecida pelo presidente estadual do PMDB, Baleia Rossi, é aumentar dos atuais 70 prefeitos para, no mínimo, 100 nas eleições municipais de 2012.

Amary, que há dois meses trocou o PSDB pelo PMDB, é otimista e acredita que esse objetivo pode ser ultrapassado. "Estamos resgatando antigas lideranças da época de Ulysses Guimarães e Franco Montoro que, por alguma circunstância, acabaram se afastando do partido", contou o ex-prefeito.

De acordo com o coordenador, o PMDB passou as duas últimas décadas "adormecido" na região. A campanha vitoriosa de Temer com a presidente Dilma Rousseff despertou o partido. "As lideranças que estavam encolhidas começam a se manifestar. Vamos ter chapas fortes de vereadores em todas as cidades", promete o peemedebista.

Planos. O próprio Amary deve ser indicado pelo partido para concorrer à Prefeitura de Sorocaba, que administrou durante oito anos, ainda pela antiga sigla.

A cidade, um dos principais redutos peemedebistas no interior entre as décadas de 1970 e 1980, tornou-se um respeitado "ninho" tucano. O PSDB está no poder desde 1996, quando Amary se elegeu prefeito. Reeleito, fez o sucessor, mas entrou em choque com o atual governante, Vitor Lippi (PSDB), que está no segundo mandato.

O racha resultou em sua saída do partido - ele foi um dos fundadores do PSDB na cidade e era coordenador político na região. Agora, Amary tenta puxar vereadores e companheiros tucanos para o PMDB.

O partido já tem a Prefeitura de Itapetininga e o vice de Votorantim, cidade administrada pelo PT. "Em alguns municípios vamos concorrer com o PT, e em outros esperamos caminhar juntos", afirmou Amary.

Contato

O presidente nacional do PT, Rui Falcão, disse ontem que deve encontrar na quarta-feira o presidente do PMDB, Valdir Raupp, para discutirem os rumos das siglas nas eleições de 2012.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.