Celso Junior/AE–16/11/2010
Celso Junior/AE–16/11/2010

PMDB tenta manter domínio nas cidades

Detentor de 1.239 prefeituras em todo o País, partido se move para não ceder espaço ao PT, que cresce rápido e pode ameaçá-lo em 2012

Christiane Samarco / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

17 Julho 2011 | 00h00

Acossado pelo poder de fogo do PT, que completa uma década de domínio na política nacional, avança sobre os grotões e trabalha para ampliar o poder nos grandes centros urbanos, o PMDB já começou a se mexer para manter o status de líder em número de prefeitos nas eleições de 2012.

Mais do que um título ou uma soma, o que está em jogo para o PMDB é a "marca" de partido municipalista, de partido com "maior capilaridade" no País.

Desde que bateu recorde na corrida municipal, elegendo 1.256 prefeitos ao final do governo Fernando Henrique Cardoso, o PMDB vem perseguindo esse número. Passou perto em 2008, quando venceu em 1.239 cidades, mas esse total acabou minguando com a migração de alguns quadros para outras legendas. Já o PT, que saiu das urnas com 578 prefeitos nas últimas eleições, só fez crescer de lá para cá - das eleições de 2000 para as 2008, o número de prefeituras do PT aumentou 209%.

"Estão todos dizendo que 2012 é o ano do PT, mas nós ainda não temos uma conta nem fizemos estimativas", diz, misterioso, o secretário nacional de Organização do PT, Paulo Frateschi. Bem diferente do PMDB, cujo presidente e senador Valdir Raupp (RO) apregoa a previsão de manter a marca do partido com 2 mil novo prefeitos e 10 mil vereadores. O líder na Câmara, Henrique Eduardo Alves (RN), aposta na vitória em 1.500 municípios.

A despeito da cautela de Frateschi, o PT está animado com a repercussão do crescimento da votação do partido em pequenas e médias cidades do interior nas eleições do ano passado, quando a presidente Dilma Rousseff ultrapassou a performance do padrinho Luiz Inácio Lula da Silva na reeleição de 2006. "Mas o prestígio que tivemos em nível nacional não teremos, necessariamente, na eleição municipal. E só agora começamos a fazer levantamentos nas capitais e cidades com mais de 200 mil eleitores", pondera o dirigente petista.

Quadro pulverizado. Nos bastidores do PMDB, parlamentares mais experientes reconhecem que não será fácil ir além das 1.250 prefeituras, sobretudo com um quadro partidário cada vez mais pulverizado - e, de quebra, com um cenário marcado pelo fortalecimento de legendas menores, como PSB, PR e PP.

Além disso, o partido entende que agora tem menos instrumentos de ação política do que tinha no governo Lula, pois perdeu ministérios que atuam mais fortemente nos municípios e mantêm contado direto com eleitores das diferentes regiões. É o caso da Saúde e das Comunicações, ambos nas mãos do PT. E os peemedebistas lembram que toda cidade tem sempre uma agência dos Correios, um posto de saúde e uma ambulância, pelo menos.

O PMDB nordestino ainda contabiliza um "prejuízo grande" com a transferência da pasta da Integração Nacional para o PSB. O líder Henrique Alves admite que a transferência foi justa, já que o PMDB só elegeu o governador do Maranhão. Pondera, contudo, que as políticas públicas da Integração, voltadas para esses Estados, davam projeção às ações do PMDB. "Não se trata de manipular os ministérios, mas de dar visibilidade ao PMDB na execução das políticas nacionais", explica. "Só se faz torcida entrando no jogo e só se faz militância mostrando a cara e disputando."

Preocupados com a repercussão dessas disputas na aliança nacional, os presidentes do PMDB, Valdir Raupp, e do PT, Rui Falcão, estão há dois meses conversando sobre 2012. No primeiro almoço para tratar do assunto em Brasília, os dois concordaram que a briga pela Prefeitura de São Paulo é inevitável. "É importante termos isso claro desde já, para ninguém dar caneladas no primeiro turno", observou Falcão.

E é neste contexto que a Fundação Ulysses Guimarães, do PMDB, decidiu tornar obrigatórios os cursos para prefeito e vice-prefeito para quem quiser se candidatar a esses postos. No sistema de ensino à distância, o curso é oferecido em convênios com os institutos e departamentos de Ciência Política das Universidades de Brasília (UnB) e a Federal do Rio Grande do Sul.

O ex-deputado Eliseu Padilha (RS), que comanda a fundação, diz que o curso tem dois objetivos: "Qualificar os candidatos do PMDB e preparar uma nova geração de agentes públicos". Os alunos terão aulas sobre gestão pública, Lei de Responsabilidade Fiscal, normas que regem o orçamento público, as licitações e informações sobre as penas para quem descumpre as regras.

PREFEITURAS

Cidades governadas pelos dois partidos pelo País

Eleições de 2000

PMDB = 1.256

PT = 187

Eleições de 2004

PMDB = 1.070

PT = 414

Eleições de 2008

*PMDB = 1.239

*PT = 578

(*) AS TOTALIZAÇÕES INCLUEM ELEIÇÕES SUPLEMENTARES

FONTE: TSE, SEM COMPUTAR TROCAS PARTIDÁRIAS DEPOIS DA APURAÇÃO

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.