PMs e Bombeiros decidem manter a greve no Maranhão

Governo propõe reajuste de 10,1%, mas categoria exige 30%; nova reunião ocorre na 6ª

Ricardo Valota, do estadão.com.br,

01 de dezembro de 2011 | 02h13

SÃO PAULO - Os policiais militares e bombeiros do estado do Maranhão decidiram, no final da tarde de quarta-feira, 30, em mais uma reunião com o governo, medida pela Ordem dos Advogados do Brasila (OAB), continuar a greve da categoria que já dura uma semana.

 

O governo propôs reajuste de 10,1% e vale-alimentação de R$ 250, mas os grevistas rejeitaram. Eles reivindicam 30% e outros benefícios, Na prática, o reajuste seria escalonado de R$ 2.240,00 para R$ 3.891,00. Uma nova reunião entre as partes ocorre na próxima sexta-feira, 2.

 

Cerca de 400 homens da Força Nacional estão em São Luís para evitar a descontinuidade dos serviços de segurança durante a paralisação dos militares.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.