PMs envolvidos em morte de criança voltarão a ser interrogados

Em um primeiro depoimento, os PMs disseram que o garoto teria sido atingido por uma bala perdida

Talita Figueiredo, da Agência Estado,

06 de dezembro de 2008 | 12h18

O delegado Carlos Eduardo Almeida, que investiga a morte de um menino de 8 anos na favela Baixa do Sapateiro, no Complexo da Maré (zona norte), na quinta-feira, 4, vai convocar novamente para depor os quatro policiais militares que estavam próximos ao local na hora do crime. Matheus Rodrigues Carvalho, de 8 anos, foi baleado na cabeça quando saía de casa para comprar pão. Moradores dizem que, por ele estar apoiado em uma mureta, teria sido confundido pelos PMs com um criminoso.   Moradores de favela acusam PM de matar menino no Rio ''Vi o PM chorar e dizer: matei uma criança'' Polícia não acha marca de tiro onde garoto morreu no Rio   Em um primeiro depoimento, os PMs disseram que o garoto teria sido atingido por uma bala perdida numa troca de tiros com traficantes.   Almeida quer determinar o local exato onde estavam os policiais militares na hora em que Matheus foi atingido. O delegado quer saber, ainda, se os policiais militares forneceram a numeração correta do carro em que estavam, tendo em vista que supostas testemunhas do crime teriam ligado para a 21ª Delegacia de Polícia fornecendo dígitos diferentes de identificação do veículo.   Os quatro fuzis e as quatro pistolas dos policiais já foram recolhidos e encaminhados para perícia. Até a sexta-feira, nenhum morador da favela estivera na DP para prestar depoimento, apesar de muitos deles terem dito, durante o enterro do garoto, pela manhã, que testemunharam o crime.

Tudo o que sabemos sobre:
rioviolênciameninocomplexo da maré

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.