PMs foram expulsos por morte de menino

No Rio, outro caso recente de morte provocada por policiais em perseguição é o do menino João Roberto. Na noite de 6 de julho do ano passado, o garoto de 3 anos foi morto após o carro em que estava com a mãe, Alessandra Soares, e com o irmão, então com 9 meses, ter sido atingido por 17 tiros efetuados por policiais militares, na Tijuca, zona norte do Rio. Eles perseguiam um carro "parecido" com o de Alessandra e teriam se confundido, atirando contra inocentes. Pouco mais de um ano após a morte de João Roberto, um novo julgamento dos policiais militares envolvidos no caso ainda não foi marcado pela Justiça. No dia 10 de dezembro de 2008, o 2.º Tribunal do Júri absolveu o cabo William de Paula, autor dos disparos que matou o garoto, por 4 votos a 3. O júri entendeu que o policial agiu "no estrito cumprimento do dever legal". O juiz Paulo Lanzellotti condenou o cabo a dois anos de prisão pelo crime de lesão corporal sofrido por Alessandra. O Ministério Público recorreu da absolvição. Em janeiro deste ano, De Paula e o soldado Elias Gonçalves Costa Neto foram expulsos da PM após serem submetidos a um Processo Administrativo Disciplinar. A investigação concluiu que "os dois não estão mais capazes de exercer a função de policial militar", segundo nota da PM.

, O Estadao de S.Paulo

20 Julho 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.