PMs integravam grupo de extermínio na BA, dizem testemunhas

Os nove policiais militares acusados de integrarem grupo de extermínio que atuava no Bairro do Nordeste de Amaralina, próximo à orla marítima de Salvador, foram reconhecidos por 17 moradores na Corregedoria da PM, ontem. Há duas semanas o mesmo grupo tinha sido acusado por outros moradores. A prisão dos suspeitos foi possível graças à criação este ano pelo governo estadual de uma força tarefa para combater os grupos de extermínio na Bahia.Os policiais militares são integrantes de diversos batalhões geralmente da orla marítima de Salvador e estão sendo acusados de inúmeros assassinatos de marginais e pequenos comerciantes que se recusavam a pagar "proteção" no Nordeste de Amaralina, considerado um dos bairros mais violentos da cidade. O mais perigoso entre os acusados é soldado Francisco Carlos de Almeida suspeito de atuar também no subúrbio ferroviário. Lá teria matado vários traficantes a mando do seu irmão Ronaldo Leite de Almeida apontado como um dos chefes do tráfico de drogas do subúrbio. Os nove PMs estão sendo processados por assassinatos e formação de quadrilha.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.