PMs que liberaram atropelador de filho de Cissa têm prisão decretada

Durante reconstituição feita na madrugada desta terça, motorista afirmou que Rafael Mascarenhas fazia manobra com a curva muito aberta e, por isso, não foi possível frear

Gabriela Moreira, de O Estado de S. Paulo e Priscila Trindade, da Central de Notícias

27 de julho de 2010 | 20h17

Cissa Guimarães chega para a missa de 7º dia da morte do filho, na igreja Nossa Senhora da Paz, em Ipanema

 

SÃO PAULO - A Justiça Militar do Rio decretou na noite desta terça-feira, 27, a prisão preventiva dos dois militares suspeitos de liberar o veículo de Rafael Bussamra, de 25 anos, que atropelou o estudante Rafael Mascarenhas, de 18, filho da atriz Cissa Guimarães.

 

Veja também:

link Emoção e tristeza na missa em lembrança a Rafael Mascarenhas

 

A decisão é da juíza Ana Paula Monte Figueiredo Pena Barros, da Auditoria da Justiça. Segundo a magistrada, a prisão dos suspeitos é importante para a conveniência da instrução criminal e a garantia da ordem pública.

 

A defesa do atropelador afirma que o cabo Marcelo de Souza Bigon e o sargento Marcelo Leal Martins teriam cobrado R$ 10 mil para não registrar a ocorrência na delegacia. Os PMs estão presos administrativamente no 23º Batalhão do Leblon.

 

Em nota, o Ministério Público, que ofereceu denúncia contra os militares, afirma que "o fato sem dúvida abala o nome da Instituição, bem como faz nascer e crescer o sentimento de impunidade e do chamado 'jeitinho' para resolver as coisas".

 

Mascarenhas morreu atropelado no último dia 20 dentro do Túnel Zuzu Angel, na Gávea, na zona sul da cidade.

 

Nesta terça-feira também é realizada a missa de 7ª dia de Rafael na Igreja Nossa Senhora da Paz, em Ipanema.

 

Reconstituição

O estudante Rafael Bussamra disse durante a reconstituição do crime que atropelou o estudante numa curva no fim do Túnel Acústico, na Gávea (zona sul do Rio). Segundo o atropelador, o Mascarenhas fazia uma manobra com a curva muito aberta e, por isso, não foi possível frear.

 

A reconstituição do crime ocorreu durante toda a madrugada de hoje e foi baseada nos depoimentos de seis pessoas, entre envolvidos e testemunhas. Um skatista, amigo de Rafael, representou o filho da atriz Cissa Guimarães.

 

Para concluir o inquérito, a Polícia Civil aguarda os laudos das perícias do carro do atropelador e da reconstituição. Algumas contradições precisam ser esclarecidas, entre elas se Bussamra disputava um racha com os ocupantes de um Honda Civic guiado por um amigo dele.

 

Até as 19h de hoje, o carona de Bussamra, o estudante André Liberal, de 19 anos, prestava depoimento na 15ª DP. Segundo a polícia, ele, que já havia prestado depoimento, foi convocado novamente para esclarecer pontos importantes da investigação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.