PMs são acusados de ficar com dinheiro roubado

Oito policiais militares da 35ª Companhia da PM baiana foram afastados do serviço e estão sendo investigados pelo desaparecimento de parte do dinheiro roubado por dois assaltantes, presos logo após abordarem uma secretária que deixava, ontem à tarde, a agência do BCN da Avenida Tancredo Neves, uma das mais movimentadas de Salvador. A suspeita de que os policiais ficaram com o dinheiro surgiu logo após a Delegacia de Repressão a Roubos tomar conhecimento de que a prisão dos assaltantes foi registrada pelo sistema de câmeras da Prefeitura de Salvador, que monitora o transito nas principais avenidas da cidade. Uma dessas câmeras flagrou os policiais manipulando o envelope recuperado com os assaltantes, onde deveriam estar R$ 4.250,00. Apenas R$ 1.294,55 foram entregues à delegada Francineide Moura quando os bandidos foram levados à Delegacia de Repressão a Roubos. Os próprios assaltantes, identificados como Luiz Cláudio Pereira Mota, de 29 anos, e Leonardo Lázaro Cardoso de 21, acusaram os policiais de terem se apossado do dinheiro. "A gente nem teve tempo de ver quanto tinha no envelope", disse Cardoso na delegacia. Tudo foi muito rápido. A dupla rendeu a secretária de uma agência de automóveis - que pediu para não ter o nome divulgado - logo após ela sacar cheques no valor de R$ 4.250. Mota e Cardoso tentaram fugir numa motocicleta, mas foram presos em seguida pelos PMs da 35ª Companhia. A câmera da prefeitura registra o momento em que os dois são colocados num camburão e um policial se afasta, com o envelope onde estava o dinheiro. O major Lázaro Oliveira, da 35ª Companhia, disse que um oficial já foi designado para investigar o caso e que os policiais suspeitos, cujos nomes não divulgou, ficam fora do serviço até o esclarecimento de tudo. "Os policiais garantem que não pegaram o dinheiro e a fita é um componente importante para chegarmos à verdade dos fatos", disse, informando que se for comprovado a responsabilidade dos suspeitos eles serão excluídos da PM e processados criminalmente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.