PMs são presos no Rio acusados de extorsão

Três policiais militares foram presos, na noite de quinta-feira, em Campo Grande, zona oeste do Rio de Janeiro, acusados de extorsão e porte ilegal de arma. No início da semana, o secretário estadual de Segurança Pública, Josias Quintal, afastou 500 policiais do 14º batalhão, em Bangu, também na zona oeste, acusados de má conduta e irregularidades.O sargento Arão Luís da Silva e os soldados Marcelo Oliveira de Andrade e Marcelo Gouveia Bezerra estavam à paisana e portavam uma pistola e dois revólveres com a numeração raspada quando foram detidos por agentes do serviço reservado da PM, que chegaram até eles por meio de denúncia anônima. Os policiais podem ser condenados a 8 anos de prisão.Eles estavam com Marcos Vinícius Ramos Costa e Cassiano Detomi, ambos de 23 anos, flagrados quando compravam de Anderson Elias Tavares de Souza, também de 23, um carro com placa fria por R$ 5 mil.Souza teria conseguido o carro com traficantes da favela Vila Kennedy, na Baixada Fluminense. A polícia acredita que os três PMs presos e Souza, dono de um lava-jato, façam parte de uma quadrilha especializada em extorsão.Para se livrarem da prisão, Costa e Detomi ofereceram dinheiro, um telefone celular e o carro. Os R$ 1.120,00 do suborno foram encontrados com o sargento. Os compradores e o vendedor do veículo também acabaram presos pelo serviço reservado, acusados de receptação. Se condenados poderão passar até 4 anos na cadeia.No momento do crime, o sargento deveria estar de guarda no Regimento de Polícia Montada (RPMont) e o soldado Marcelo Oliveira de Andrade deveria de serviço no mesmo quartel. Bezerra também do RPMont, estava de folga. Outros policiais, que estavam no serviço de guarda do regimento foram presos por omissão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.