PMs suspeitos da morte de vítima de seqüestro

O delegado Ronaldo Aguiar, que investiga o assassinato do taxista Sérgio Luiz Couto, disse que os principais suspeitos do crime são o major Dilo Pereira Soares e o tenente-coronel Paulo Luiz Michelli Moutinho, ambos da Polícia Militar. Couto foi seqüestrado em 13 de julho passado por policiais da Força-Tarefa de Combate ao Crime da Secretaria de Segurança Pública, que tentavam extorquir R$ 200 mil da vítima. Dilo coordenava a equipe. O taxista deveria prestar mais um depoimento sobre o caso amanhã, mas foi assassinado na segunda-feira.Couto foi morto no Rio Comprido, próximo ao Morro do Querosene, mas o corpo foi abandonado no porta-malas de um Golf na Rua Félix da Cunha, na Tijuca. A polícia tem informação de que um funcionário de uma oficina mecânica no Querosene, identificado como ?Testinha?, levou o carro até a Tijuca. Uma equipe de policiais civis esteve hoje no morro, mas não encontrou o rapaz. "Ao que parece, esse Testinha está diretamente envolvido com o crime", afirmou o delegado Aguiar. "Trabalho com as informações prestadas pela viúva, Angélica. Dilo e Moutinho são os principais suspeitos de serem os mandantes", afirmou. O major Dilo foi convocado pelo secretário de Segurança, Josias Quintal, para dar esclarecimentos sobre a morte de Couto na Delegacia Judiciária da PM. Até o início da noite, o depoimento não havia terminado. Moutinho era ligado à Força-Tarefa coordenada por Dilo e foi citado como suspeito, pelo governador Anthony Garotinho, do seqüestro e desaparecimento do traficante Alex André Gomes, o Dedé, no mês passado. Os policiais seqüestradores teriam exigido R$ 500 mil. Na ocasião, traficantes incentivaram uma onda de violência que atingiu Rio Comprido, Estácio e Catumbi. Dedé é primo da viúva do taxista, Angélica Couto. O corpo de Couto foi sepultado hoje no cemitério São Francisco Xavier. Depois do enterro, Angélica disse que o marido foi vítima de queima de arquivo, e que ela também pode ser morta. "Sei que vão me matar. Mas eu quero justiça", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.