PMs suspeitos de matar médico colombiano podem ser afastados

O secretário de Segurança Pública do Rio de Janeziro, coronel Josias Quintal, admitiu hoje a possibilidade de afastar os policiais militares suspeitos de matar, por acidente, o cirurgião plástico colombiano Carlos Fernando Fernandes Ricaute, durante um assalto, no Grajaú, zona norte do Rio, no sábado. "Se houve erro, vamos admitir. A polícia precisa treinar muito, se aprimorar cada vez mais. Temos a responsabilidade durante o confronto", disseRicaute, de 36 anos, que foi atingido três tiros, estava em seu carro quando um assaltante entrou no veículo. Ao passar por uma patrulha da PM, o automóvel foi alvejado por três policiais. Segundo Quintal, os PMs continuarão trabalhando normalmente até que saia o resultado do exame de balística, que vai confrontar as balas das armas dos PMs e do bandido e indicar de onde partiram os tiros que mataram Ricaute. O corpo do médico será enterrado nesta terça-feira.A mulher de Ricaute, a filha, de quatro meses, e a babá, que também estavam no carro, sobreviveram. O coronel Ipurinan Calixto, comandante do 6º Batalhão da PM, ao qual os policiais pertencem, disse que, pelo relato do bandido que abordou o médico, Jorge Luís de Jesus Costa, de 19 anos, preso após o crime, o objetivo era roubar apenas os pertences da família. "Eles já haviam roubado um Vectra, que dava cobertura atrás do Palio do cirurgião, e só queriam levar jóias e dinheiro", afirmou Calixto.Assim como o criminoso detido, o assaltante que dirigia o Vectra, identificado apenas pelo apelido de "Bambu", mora no Morro do Amor, que fica próximo ao local do assalto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.