Pó branco passará por teste até de antraz

O Instituto Adolfo Lutz recebeu uma amostra do pó branco encontrado na Escola Estadual DeputadoSilva Prado, na zona leste, e deve divulgar um laudo até segunda-feira. Técnicos farão um exame bacteriológico, para identificar possíveis traços de antraz. Outras suposições iniciais: gáspimenta ou pó-de-mico.No antraz, trata-se do procedimento-padrão adotado pelo instituto, quando a substância desconhecida é um pó branco. Entre 15 de outubro e 21 de novembro, um mês após o atentado noWorld Trade Center (WTC), o Adolfo Lutz recebeu 666 notificações de envelopes ou pacotes com suspeita de contaminação por antraz. Foram analisadas 741 amostras. Todas deram resultado negativo.O frasco com o resto de pó foi achado no pátio da escola pela coordenadora pedagógica Eliana Maria de Jesus. Ela recolheu o material e entregou-o aos policiais e bombeiros que atenderam aochamado. Os oficiais encaminharam o conteúdo para o Hospital Ermelino Matarazzo. Em seguida, a substância seguiu para o Adolfo Lutz.Técnicos da Companhia Estadual de Tecnologia de Saneamento Ambiental de São Paulo (Cetesb) fizeram uma análise fotoionizada no local. Após o monitoramento dos vapores orgânicos nas salasonde os jovens passaram mal e no pátio, também se constatou que não houve contaminação do ar.Outras suspeitas levantadas por médicos que atenderam os jovens é de que se trata de gás pimenta ou de pó-de-mico. A última hipótese foi sugerida por um dos pacientes do HospitalWaldomiro de Paula, conhecido como Planalto, em Itaquera.A Secretaria de Estado da Educação informou, em nota oficial, que a Diretoria de Ensino Leste 1 encaminhou um supervisor à escola para contatar as famílias dos alunos. As aulas dosperíodos da tarde e da noite foram suspensas, para que o Corpo de Bombeiros realizasse a limpeza do local.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.