Divulgação
Divulgação

Polícia abre inquérito sobre suposto abuso sexual no 'BBB'

Em depoimento, participantes negaram relação sexual, mas investigação foi mantida no Rio

Pedro Dantas, O Estado de S.Paulo

17 Janeiro 2012 | 17h02

Atualizado às 18h37

RIO - A Polícia do Rio abriu inquérito para apurar o crime de estupro de vulnerável na 12ª edição do reality show Big Brother Brasil (BBB), da TV Globo. Nesta terça-feira, 17, o modelo paulista Daniel Echaniz, de 31 anos, e a estudante gaúcha Monique Amin, de 23, em depoimento à polícia, negaram que houve relação sexual entre os dois após uma festa no sábado e admitiram apenas a troca de carícias íntimas. Ela se negou a realizar o exame de delito que poderia detectar violência sexual.

"Diante da recusa, nós apreendemos as roupas íntimas e de cama usadas por eles no dia da festa e encaminhamos para a perícia. Os resultados ficam prontos em 30 dias. A TV Globo cedeu as fitas do programa e vamos analisar as imagens para confrontar com os depoimentos", afirmou o delegado titular da 32ª Delegacia de Polícia da Taquara, Antônio Ricardo Eli Nunes.

Após a reação de internautas e espectadores ao suposto estupro, transmitido ao vivo para assinantes na TV e internet, na manhã de domingo, a direção do programa inicialmente afirmou que a relação foi consensual. Na segunda-feira, o diretor do BBB, José Bonifácio Brasil de Oliveira, o Boninho, declarou que não era possível saber se houve ou não sexo embaixo das cobertas. No entanto, na noite do mesmo dia, o apresentador Pedro Bial anunciou a eliminação do modelo "por infringir as regras do programa" sem explicar as normas que foram quebradas por Daniel.

A investigação da Polícia Civil quer descobrir se a jovem estava consciente no momento em que o rapaz iniciou vários movimentos nas partes íntimas dela embaixo do edredom. Caso comprovado que a estudante, que admitiu o consumo de álcool, não poderia oferecer resistência total ao ato, o modelo será indiciado por estupro de vulnerável. Segundo o delegado, Monique ainda não foi confrontada com as imagens do que ocorreu após a festa.

Depoimentos. Os dois participantes do reality show prestaram depoimento por 1h30 cada um, separados, nas dependências dos estúdios do Projac, da TV Globo, em Jacarepaguá, na zona oeste do Rio. O delegado preferiu não comentar as contradições nos depoimentos. Daniel afirmou que apenas simulou o ato sexual diante das câmeras. Novas convocações de ambos não estão descartadas. Outros participantes e integrantes da equipe técnica do BBB também podem ser chamados para depor.

O Ministério Público do Rio acompanha as investigações. Caso fique comprovado pelas imagens, exame nas roupas e nos depoimentos que houve estupro, a ação penal será iniciada. "Se ela tinha total incapacidade de resistência ao ato, a ação penal será proposta independentemente da vontade dela. Caso ela tivesse capacidade parcial de reagir, o caso é classificado apenas como fato atípico, ou seja, não há crime", explicou a promotora Christiane Monnerat.

Defesa. O empresário de Monique, Cristiano Rosa, chegou ao Rio para acompanhar o caso a pedido da família. Segundo ele, a mãe e o pai da jovem estão "muito preocupados". A estudante continua no programa. Por meio da rede social Twitter, Daniel escreveu que "é contra qualquer tipo de violência" e acredita que "tudo será resolvido". Ambos contam com a assessoria jurídica fornecida pela TV Globo.

Mais conteúdo sobre:
BBB Big Brother TV Globo estupro Rio

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.