Polícia acha dólar e real em bagagens de avião

Cédulas de dinheiro, em dólar e real, estavam em algumas das malas encontradas na fuselagem do avião Bandeirante PT-SEA que caiu no sábado passado no Rio Manacapuru, no amazonas, matando 24 pessoas. Em entrevista a uma rádio local, a delegada de Coari, de onde partiu o avião, Samara Fernandes de Amorim, afirmou que não se pode dizer ainda a quantidade de dinheiro, pois todas as bagagens estão retidas em uma sala da delegacia e devem ser periciadas. "Só amanhã (hoje) é que devem ser liberadas (as malas) às famílias", disse a delegada. A bagagem retida tem peso estimado de 150 quilos. Ontem, chegaram a Manaus partes da fuselagem do avião para serem analisadas por uma comissão de técnicos especialistas em segurança e prevenção de acidentes aéreos, formada por técnicos do Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa), da Manaus Aerotáxi, da seguradora do avião e do fabricante da aeronave, a Empresa Brasileira de Aeronáutica S.A. (Embraer). O material recolhido foi transportado por uma balsa que deixou o local do acidente na manhã de anteontem. De acordo com a Assessoria de Imprensa do Seripa, não há ainda uma previsão para a conclusão do laudo pericial que definirá os primeiros resultados das investigações sobre o acidente em Manacapuru. Na manhã de anteontem, técnicos da Embraer avaliaram os destroços da aeronave, ainda em Manacapuru. O avião Bandeirante foi separado em duas partes, dobrado e teve o prefixo de identificação coberto por tinta pelos técnicos da Manaus Aerotáxi. ESCLARECIMENTODiferentemente do publicado em "Velocidade de avião definiu tragédia", Gustavo Mello não foi contratado pelo Grupo Bradesco de Seguros e Previdência, mas pela Manaus Aerotáxi, para avaliar as causas do acidente com a aeronave PT-SEA.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.