Polícia acha enfermaria do tráfico em Manguinhos, no Rio

Lugar seria usado para socorrer criminosos e teria profissionais de saúde

Pedro Dantas, O Estadao de S.Paulo

23 Julho 2009 | 00h00

Um homem morreu e três pessoas ficaram feridas em uma grande operação da Polícia Civil com 200 homens no conjunto de favelas de Manguinhos, na zona norte do Rio. Uma enfermaria supostamente usada para socorrer criminosos baleados foi estourada pelos agentes no interior da favela. A polícia recuperou dois carros, apreendeu 50 motos, uma pistola, uma submetralhadora, 150 quilos de maconha e 700 cápsulas de plástico com cocaína.O chefe da Polícia Civil, Allan Turnowski, afirmou que médicos e enfermeiros estão prestando serviços "bem remunerados" aos traficantes de Manguinhos. Na pequena casa apontada como enfermaria do tráfico, os policiais recolheram luvas cirúrgicas, gaze, seringas, algodão, radiografias, medicamentos em comprimidos e injetáveis. Uma cama de casal, uma televisão e um freezer foram os poucos móveis encontrados no local. Os vizinhos disseram que desconheciam quem morava na casa."Tínhamos essa informação sobre uma enfermaria dos traficantes e agora vamos investigar quem são esses profissionais da área de saúde que estão associados ao tráfico de drogas", declarou Turnowski. Por medida de segurança, as obras do Plano de Aceleração do Crescimento (PAC) foram paralisadas e cerca de 800 alunos de duas escolas municipais ficaram sem aulas. Dois helicópteros e dois carros blindados participaram da operação. No entanto, um dos blindados apresentou problemas e foi rebocado antes de entrar na favela.RECUONa entrada dos agentes, não houve troca de tiros. O chefe da Polícia Civil negou o vazamento da operação e atribuiu a ausência de confronto a um recuo dos traficantes. "Nossas operações são planejadas com um efetivo maior que o necessário para cercar todos os acessos às favelas e evitar o confronto impondo superioridade numérica. Dessa forma, os agentes se preocupam apenas em cumprir os objetivos das investigações. Em Manguinhos, a meta foi atingida com o estouro da enfermaria", disse Turnowski.O morto, aparentando cerca de 20 anos, não havia sido identificado até a noite de ontem. Entre os feridos, Rodrigues da Conceição, de 30 anos, atingido com um tiro no pé direito, e Paulo Araújo, de 40, baleado na perna esquerda, permaneciam internados no Hospital Geral de Bonsucesso sem risco de morrer. Uma terceira pessoa foi atendida e liberada no Hospital Getúlio Vargas, na Penha.Dois homens foram presos com drogas. Mauro de Melo, de 20 anos, carregava uma mochila com R$ 5 mil em pedras de cocaína que seriam vendidas a R$ 50 cada unidade. Segundo a polícia, ele seria um dos gerentes do tráfico em Manguinhos. Haroldo José Souza Teixeira Júnior, de 22 anos, foi preso após ser flagrado também com entorpecentes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.