Polícia acha pés de maconha em cadeia

Uma vistoria de rotina feita no Presídio Tarciso Leonce Pinheiro Cintra, o P1 de Tremembé, causou surpresa à polícia do Vale do Paraíba. A pedido do diretor, Ângelo Cabral, 94 homens do 3.º Batalhão de Choque do Estado de São Paulo e do Canil da Polícia Militar vistoriaram as celas por quatro horas. O resultado da fiscalização surpreendeu. Foram encontrados 20 telefones celulares, 12 carregadores, 3 baterias, 31 estiletes, 42 porções de maconha, pés da droga e até cortes de tecidos nas cores azul e branca. Segundo a Polícia Militar, os tecidos seriam usados para fazer uniformes semelhantes aos dos agentes penitenciários, o que facilitaria uma possível fuga. A blitz foi feita justamente para evitar que uma rebelião acontecesse durante o carnaval. ChopeNa região de Ribeirão Preto, o delegado seccional, José Manuel de Oliveira, abriu um inquérito administrativo para apurar como dois barris de chope, com 20 litros cada, entraram na Cadeia Pública de Vila Branca, provavelmente no fim de semana passado. Os dois carcereiros que estavam de plantão são apontados como os principais suspeitos de facilitar a entrada da bebida e podem até ser demitidos, caso se confirme sua culpa. Os barris foram encontrados na segunda-feira em uma cela desativada, usada para guardar equipamentos de trabalho dos detentos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.