Polícia agora vai atrás do dinheiro do PCC

Os delegados que investigam o Primeiro Comando da Capital (PCC) vão solicitar à Justiça a quebra do sigilo bancário e telefônico das mulheres e dosfamiliares dos bandidos que chefiam a organização criminosa. O objetivo é saber onde está o dinheiro arrecadado com extorsões, seqüestros e assaltos e localizar casas, apartamentos e carroscomprados por eles nos últimos anos.O pedido vai alcançar também a revendedora de carros de Wanderson Newton de Paula Lima, o Andinho, que vendia e compravaautomóveis nacionais e importados.Andinho seria dono de uma casa de luxo num doscondomínios mais caros de Presidente Prudente, onde moram empresários, juízes e industriais da região.A família do seqüestrador morava numa casa ampla em Mairiporã, comprada pelo bandido por R$ 300 mil à vista, e mudou-se para o condomínio assim que ele foi levado da cadeia de Campinas para a Penitenciária de Presidente Bernardes.Andinho teria comprado o imóvel para que a mulher estivesse mais próxima. Prudente fica a 20 quilômetros de Bernardes.André Batista de Oliveira, o Andrezão, um dos"pilotos" do segundo escalão do Primeiro Comando da Capital (PCC), deu ensta quinta-feira as indicações para o Deic tentar encontrar naregião de Campinas mais de 100 quilos de explosivos em poder da facção criminosa.No começo do ano, o PCC roubou 200 quilos de dinamite que estavam sendo transportados de caminhão para uma pedreira, no interior do Estado. Parte do explosivo foi utilizada nosatentados aos prédios dos Fóruns João Mendes e Barra Funda e na preparação do Gol que deveria explodir em frente ao prédio da Bolsa de Valores.Os "pilotos" interrogados desde a semanapassada no Departamento de Investigações sobre o Crime Organizado (Deic) serão levados nesta sexta-feira de avião a Presidente Bernardes e recolhidos à penitenciária da cidade. "Todosficarão em celas separadas, isolados, sem visita íntima, televisão e rádio", disse o diretor do Deic, Godofredo Bittencourt Filho.No departamento, criminosos responsáveis pelo segundo escalão do PCC continuam revelando detalhes da organização, que era chefiada por José Márcio Felício, o Geleião, Marcos WilliansHerbas Camacho, o Marcola, e Cesar Augusto Roris da Silva, o Cesinha.Segundo a polícia, os chefes do PCC hoje são Marcola, Júlio Cesar Guedes de Moraes, o Julinho Carambola, e Sandro Aparecido da Silva Santos, o Gulu. Geleião e Cesinha estão jurados de morte.

Agencia Estado,

28 de novembro de 2002 | 22h14

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.