Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Polícia ainda não tem pistas dos assassinos de jornalista

O jornalista Leonardo Blaz Cicoti, 26 anos, foi morto com um tiro no ouvido, às 2h de anteontem, no Jabaquara, Zona Sul. A polícia ainda não tem pistas dos assassinos. Cicoti foi abordado às 0h30 por dois homens armados, quando abria o portão da garagem de sua casa, na Rua Augustina Cuzziol Catelan, no Bairro dos Casa, em São Bernardo do Campo. O rapaz tinha acabado de assistir a uma sessão de cinema na Capital, onde trabalhava em uma Assessoria de Imprensa. Uma vizinha viu os bandidos exigindo que ele entrasse novamente no carro, um Gol azul. Após o seqüestro, o veículo partiu em alta velocidade. Os criminosos deixaram a cidade e seguiram em direção à Zona Sul da Capital. Quando chegaram ao Jabaquara, decidiram executá-lo. Um morador da Rua Pinheirinho, a 200 metros do 35º Distrito Policial (Jabaquara) e da 1ª Companhia do 3º Batalhão da PM, viu o Gol parar no meio da via com os faróis acesos, em frente ao número 85. "Eles ficaram no local três minutos com o motor do carro ligado. Depois, desceram em silêncio e dispararam na cabeça do rapaz. Entraram logo no Gol e saíram cantando os pneus", contou a única testemunha do assassinato, que não quer ser identificada. O homem acredita que os criminosos passaram os minutos parados amarrando as mãos de Cicoti com uma fita adesiva preta, para que ele não pudesse escapar. "Ouvi apenas um tiro. Não houve gritos. Depois que o carro saiu, fui tentar socorrer o rapaz. Ele agonizava no chão, com as mãos amarradas para frente", lembrou a testemunha. Os bandidos fugiram com o carro pela Avenida Engenheiro Armando de Arruda Pereira, em direção à Diadema. A PM foi acionada e chegou logo ao local do crime. O jornalista foi colocado no camburão da polícia e levado ao Hospital Saboya. Ele estava sem documentos. Além da carteira, o aparelho celular também foi roubado. Havia, sob sua camiseta vermelha, um cordão de ouro e, no bolso de sua calça jeans, um cartão de visita da revista Contadino, junto com um bilhete de cinema do filme "Homem Aranha", de uma sessão das 21h30 daquela sexta-feira.Denúncia leva polícia ao carro abandonadoAnteontem de manhã, a carteira com os documentos do jornalista foi encontrada por um vigia na Avenida Capitão Casa, perto da residência de Cicote. Às 15h, o Gol foi achado a menos de um quilômetro da carteira, na Rua Expressa, no Jardim Ipanema, periferia de São Bernardo. Uma denúncia anônima informou à polícia que um Gol azul estava abandonado desde a madrugada. Os bandidos roubaram o tampão traseiro, o toca-fitas e o alto-falante. O roubo foi registrado no 3º DP da cidade. O homicídio será investigado pelo 35º DP. A principal suspeita da polícia é de latrocínio, já que os bandidos não estavam encapuzados e Cicoti poderia reconhecê-los.

Agencia Estado,

05 de julho de 2004 | 08h18

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.