Polícia apreende 100 quilos de cocaína no interior de SP

Policiais do Departamento de Investigações sobre Narcóticos (Denarc) prenderam na sexta-feira, na região de Ribeirão Preto, no interior paulista seis integrantes de uma quadrilha de traficantes. Na operação foram apreendidos 100 quilos de cocaína. Segundo a polícia, o chefe da quadrilha, que também foi preso, é o pintor de carros Ronildo Gonçalves da Silva, de 37 anos, conhecido por Margozinha, um ex-cortador de cana, hoje com um alto padrão de vida. Ele já esteve preso por tráfico e era investigado há três meses. Quando a polícia chegou à chácara, no km 14,5 da estrada que liga os municípios de Serrano e Altinópolis, um grupo de pessoas descarregava a droga que estava numa picape Silverado vermelha, cerca de 40 quilômetros de Ribeirão Preto. Além do motorista da Silverado, o vendedor de produtos veterinários Elizeu Bispo de Oliveira, de 39 anos, foram presos Wilson Gonçalves da Silva, de 24, Natiele Fernanda deAbreu, de 18, o lavrador Nelson Lopes de Macedo, de 26, e o vendedor de carros João Anésio Soares, de 21.Ronildo, que é irmão de Wilson foi preso em seu apartamento, em Ribeirão Preto, onde os investigadores da 1ª Delegacia da Divisão de Inteligência e Apoio Policial (Diap) descobriram como funcionava o sistema de distribuição da droga. Os pedidos era feitos por telefone e os compradores faziam o pagamento por depósito bancário. Depois, enviavam por fax cópia do recibo de depósito. Só então era feita a entrega do entorpecente. Foram apreendidos seis aparelhos celulares, cópias dos recibos de depósito bancário e uma picape S-10.A polícia afirma que a droga era originária da Bolívia e que Eliseu a trazia do Estado do Mato Grosso, na Silverado, que possui um compartimento secreto. Cerca de 300 quilos de cocaína eram transportados mensalmente para serem distribuídos nas regiões de Ribeirão Preto, São José do Rio Preto, e outras cidade do interior paulista, até Campinas, na chamada "rota caipira". Essa cocaína também abastecia São Paulo e Belo Horizonte.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.