Polícia apreende 250 kg de maconha e investiga rota de tráfico

Droga estava dentro de carro que passava pela BR-324, na Bahia, onde no dia 15 teve uma apreensão semelhante

Tiago Décimo , O Estado de S.Paulo

29 de setembro de 2009 | 16h47

Agentes da Polícia Rodoviária Federal (PRF) apreenderam, na madrugada desta terça-feira, 29, 250 quilos de maconha prensada, na BR-324 - mais movimentada rodovia da Bahia -, altura do município de São Sebastião do Passé, no Recôncavo Baiano. A droga estava escondida em um Palio, com placa de Minas Gerais, dirigido por Gedeão da Silva.

 

Segundo informações da PRF, os agentes sinalizaram para o carro parar, mas o motorista desrespeitou o aviso e seguiu. Houve perseguição e tiroteio, até que Silva perdeu o controle do carro e bateu em um guardrail. Ele e um passageiro não identificado desceram do veículo e tentaram fugir a pé, por um matagal. Silva foi localizado e preso, mas o outro homem conseguiu escapar.

 

Detido em flagrante, Silva contou que o Palio havia sido carregado em Ribeira do Pombal, 256 quilômetros ao norte de Salvador, e que a droga seria distribuída a traficantes do bairro da Boca do Rio, em Salvador.

 

A Delegacia de Tóxicos e Entorpecentes da capital baiana investiga o surgimento de uma nova rota do tráfico no Estado. No último dia 15, apreensão semelhante ocorreu na mesma rodovia: agentes da PRF encontraram 240 quilos de maconha em uma caminhonete, também com placa de Minas Gerais, em uma abordagem realizada durante a madrugada. O motorista do veículo, Ricardo da Silva Santos, foi detido em flagrante, depois de tentar fugir.

 

Em depoimento, Santos também contou que a droga iria de Ribeira do Pombal para Salvador. A polícia admite haver relação entre as ocorrências, mas não comenta o andamento das apurações, com o argumento de que a divulgação das informações atrapalharia as investigações.

Tudo o que sabemos sobre:
tráfico de drogasBahiaPRFBR-324

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.