Carlos Soares/Erlon Rodrigues/Alailson Santos/SSP-AM e PC-AM
Carlos Soares/Erlon Rodrigues/Alailson Santos/SSP-AM e PC-AM

Polícia apreende 33 cilindros de oxigênio escondidos por empresa em Manaus

Proprietário vai responder por ‘reter produtos para fim de especulação’; itens foram encaminhados para unidades de saúde

Priscila Mengue, O Estado de S.Paulo

15 de janeiro de 2021 | 09h34
Atualizado 20 de janeiro de 2021 | 14h41

A polícia do Amazonas apreendeu 33 cilindros de oxigênio que estavam escondidos em um caminhão na tarde de quinta-feira, 14, em Manaus. O proprietário, um homem de 38 anos e de nome não divulgado, foi detido e responderá por “reter produtos para o fim de especulação”, de acordo com informações da Secretaria de Segurança Pública (SSP-AM). O material foi encaminhado, sob escolta, para quatro unidades hospitalares da rede estadual. Além desse caso, outro homem foi detido por tentar transportar 45 cilindros sem documentação para outra cidade.

A polícia chegou até o local, na zona centro-oeste da cidade, após receber uma denúncia anônima. A capital amazonense está em grave crise sanitária, com escassez de oxigênio para atender à demanda do sistema de saúde, que enfrenta alta de internações por covid-19. Segundo relatou o Estadão, pessoas chegaram a morrer asfixiadas pela falta de oxigênio.

O caminhão estava estacionado fora da empresa a que pertence, cujo nome também não foi divulgado pela polícia. Dos 33 cilindros apreendidos, 26 estavam carregados com oxigênio. Eles teriam sido envasados na quarta-feira, 13.

Segundo informações da SPP-AM, o proprietário alegou no interrogatório que temia que a população invadisse o estabelecimento e, por isso, decidiu retirar os cilindros do local. Até o momento, não há, contudo, qualquer relato desse tipo de violência na cidade, em que há mobilizações de familiares de pacientes, de profissionais de saúde e da população em geral para comprar os equipamentos e pedir doações. 

As unidades de saúde que receberam os cilindros foram o Hospital Beneficente Português, a Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado do Amazonas (FCecon) e os Serviços de Pronto-Atendimento (SPA)de  São Raimundo e de Coroado.

Como reportou o Estadão, a demanda por oxigênio na região quintuplicou na última quinzena. As taxas da doença no Amazonas têm crescido rapidamente nas últimas semanas. O Amazonas tem 223.360 casos e 5.930 óbitos confirmados do novo coronavírus até a quinta-feira, 14, de acordo com o governo estadual. As internações por covid-19 no Estado duplicaram em menos de quinze dias, subindo de 128 novos internados em 31 de dezembro, para 258 em 14 de janeiro. 

O balanço estadual também aponta 1.126 pacientes com suspeita ou confirmação da doença em UTIs de Manaus, o que inclui tanto hospitais públicos quanto privados, e outros 2.567 em leitos de enfermaria.

A taxa de ocupação para UTI covid na capital é de 90,48%, taxa que é de 93,19% para leitos de enfermaria destinados a pacientes com a doença. Até quinta-feira, 427 pacientes aguardavam internação em leito de UTI ou clínico no Estado, dos quais 371 em Manaus, sendo 366 na rede pública e outros cinco na rede privada. O número de sepultamentos em Manaus aumentou 450% em um mês, segundo a prefeitura da capital

Homem é preso por transportar cilindros ilegalmente para outra cidade do Amazonas

Também na quinta-feira, por volta das 22 horas, policiais militares da 5ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom) detiveram um homem de 44 anos que tentava transportar 45 cilindros de oxigênio irregularmente. Os equipamentos estavam em um barco com o nome “Deus é bom demais” no porto de São Raimundo, na zona oeste de Manaus, e seriam transportados para o município de Juruá, no interior do Amazonas.

Segundo o governo estadual, 28 cilindros estavam carregados com oxigênio. Como o proprietário não apresentou documentação de propriedade dos equipamentos, eles foram apreendidos e encaminhados para unidades hospitalares. “O homem recebeu voz de prisão e foi conduzido para a Delegacia Geral de Polícia Civil para os procedimentos legais”, diz comunicado.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.