Polícia Civil
Polícia Civil

Polícia apreende metralhadora de guerra na Barra da Tijuca

Arma que pesa 38 kg e é capaz de disparar de 450 a 1,2 mil tiros por minuto estava com criminosos de uma dissidência do PCC

Roberta Jansen, O Estado de S.Paulo

20 Setembro 2018 | 10h21
Atualizado 20 Setembro 2018 | 19h24

RIO - Uma arma de guerra de grande porte, capaz de furar a blindagem de carros-fortes e até aeronaves, foi apreendida com traficantes de drogas do Rio de Janeiro quando tentavam vendê-la na manhã desta quarta-feira, 19. A metralhadora antiaérea Browning ponto 50, de fabricação americana, mede 1,68 metro de comprimento e pesa 38 quilos. Trata-se do maior armamento já apreendido pela Polícia Civil no Estado. Estava com criminosos de uma dissidência da facção paulista Primeiro Comando da Capital (PCC), aliada do Comando Vermelho (CV), no Rio, afirmou o delegado Delmir Gouveia, da Delegacia de Roubos e Furtos de Cargas (DRFC), que fez a apreensão.

A arma dispara de 450 a 1,2 mil tiros por minuto e tem uma precisão de até dois quilômetros. É usada pelo Exército dos Estados Unidos, que a empregou nas duas guerras mundiais.

"Essa é uma arma de guerra, de grande potencial ofensivo, representa um grande perigo para a sociedade e para as ações policiais", afirmou o delegado. "Ela é usada para ostentar o poder do tráfico e em ações criminosas de maior vulto, como roubos a empresas de transporte de valores ou carros-fortes." 

Dois homens foram presos em flagrante tentando negociar a arma por R$ 200 mil: Thiago da Silva Lopes, de 22 anos, e Pablo Carvalho da Silva, de 23 anos.

A especializada acompanhou a negociação para a venda da metralhadora durante três dias e interceptou a finalização da transação. A metralhadora estava na Rocinha, na zona sul, e seria transferida para a comunidade do Fallet-Fogueteiro, na região central da cidade. 

Segundo o delegado, depois de ser levada para o Fallet, a arma iria para outro Estado, onde seria usada em ação de grande vulto. Dentro de uma comunidade, poderia ser usada, por exemplo, para interceptar a entrada de veículos blindados.

"Embora tenha sido criada no final da Primeira Guerra Mundial, a ponto 50 tem um projeto tão eficiente que está em uso até hoje nas principais forças armadas de todo o mundo, já que seu uso é iminentemente militar", explicou o delegado André Leiras, da Desarme. "Estima-se que cerca de 3 milhões de metralhadoras Browning M2 foram produzidas até hoje e utilizadas em todo o mundo."

Para o presidente da Associação Brasileira de Profissionais de Segurança, Vinícius Cavalcante, é espantoso que uma arma desse porte tenha sido apreendida na mão de traficantes de droga. Mas, destaca, isso não quer dizer necessariamente que os criminosos estejam, de fato, usando esse tipo de armamento.

"Do ponto de vista técnico-operacional, é uma arma difícil de ser manuseada. Ela não pode ser disparada na mão, precisa de um suporte para ser usada, pesa muito", explicou o especialista. "A criminalidade costuma comprar qualquer coisa que lhe chegue Pas mãos, independentemente de saberem usar ou não e até mesmo de ter condições de uso. Eles fazem isso para ostentar e também para evitar que caia nas mãos de facções inimigas."

Apreensões

O número de armas apreendidas aumentou nos últimos meses. Levantamento feito pelo Instituto de Segurança Pública (ISP), o maior índice já registrado de armas apreendidas neste ano foi em agosto, quando a polícia recolheu 823 armas, o maior número em oito anos. Nos últimos seis meses, foram mais de 6 mil armas recolhidas em todo o Estado, contra 5,8 mil no mesmo período do ano passado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.