Polícia apreende mil cápsulas de LSD em São Paulo

As fotos gravadas na memória do celular do auxiliar de produção Jonatas Rodrigues da Silva, 23 anos, levaram a Polícia Civil a uma residência em Sumaré, na região de Campinas, onde foram encontrados 975 micropontos (selos) de LSD e outros 22 comprimidos de ecstasy. Depois de ser flagrado nesta madrugada em um comando policial, no Km 142 da Rodovia D. Pedro I, com cerca de 10 gramas de maconha, Silva e outros dois colegas foram levados à delegacia. Quando o depoimento dos três estava prestes a terminar e eles seriam liberados para responder processo em liberdade apenas como usuários de drogas, policiais encontraram no celular de Silva fotos de cartelas de LSD.Pressionados, os jovens confessaram ter centenas de micropontos escondidos em uma casa de Sumaré onde Silva passava os finais de semana. Na residência, policiais encontraram 975 micropontos, 24 comprimidos de ecstasy e 20 gramas de maconha. Antes de chegarem à casa, os policiais já tinham encontrado, em um suporte do painel do carro de Silva, 22 selos de LSD.A Polícia Civil de Campinas informou que foi uma das maiores apreensões de microponto já ocorrida no Estado de São Paulo. O selo de LSD - ácido lisérgico sintetizado a partir do fungo do centeio - é vendido por um preço médio de R$ 50 em casas noturnas e festas raves, segundo a Polícia. No total, foram encontrados 997 micropontos. As duas cartelas da droga apreendidas formavam o desenho de um coelho e de uma caveira.Além de Silva, foram presos o auxiliar de produção Fábio Eduardo Biaggio, 24 anos, e o vendedor Bruno Galgani Rocha, 26 anos, ambos moradores de bairros de classe média baixa de Sumaré. Os três foram encaminhados à cadeia pública de Paulínia e vão responder processo por tráfico de drogas.Um inquérito também deve ser instaurado no 4º Distrito Policial de Campinas, no Bairro Taquaral, onde foi registrada a ocorrência. A Polícia Civil vai apurar nas próximas semanas se os acusados são integrantes de uma quadrilha de traficantes de drogas sintéticas que atua na região de Campinas, informou o delegado José Carlos Fernandes da Silva.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.