Polícia apreende motos em fiscalização

Além de barreiras nos pedágios, 2,2 mil homens observam motociclistas

Camilla Rigi, O Estadao de S.Paulo

02 de fevereiro de 2008 | 00h00

A Polícia Rodoviária apertou ontem o cerco contra os motociclistas nas estradas estaduais. A operação Cavalo de Aço teve início às 14 horas e só termina na Quarta-Feira-de-Cinzas. Barreiras foram montadas nos pedágios na saída da capital e cerca de 2,2 mil homens se revezavam em passarelas ,com binóculos . O objetivo é, principalmente, impedir o tráfego de motos entre as faixas de rolamento, entre os veículos. "A maioria dos acidentes ocorre porque os motoristas não mantêm uma distância lateral dos carros", explica o tenente Fernando de Souza do 4º Batalhão da PRE. Na primeira hora de operação no pedágio no km 39 da Rodovia dos Bandeirantes, mais de 20 motociclistas foram abordados e três motos foram recolhidas. "Vamos fiscalizar os documentos e a situação dos veículos também", disse o tenente Souza. Os policias fizeram um desvio, obrigando todas as motos a passar por recuo da Autoban, que administra a estrada. O instrumentista Thiago Pinho Campos dos Santos, de 22 anos, teve que seguir de carona para Campinas. "Tive um problema com a moto que comprei ontem (anteontem) e peguei a mais velha para trabalhar hoje. O problema é que o policial disse que ela estava com pneu careca", contou. Ele foi parado na blitz da polícia. "Concordo com essas fiscalizações, mas tem que ser constante", afirmou. Até segunda-feira, os policiais ficarão concentrados no sentido capital. A partir de terça, mudam de sentido. O balanço só deve ser divulgado na quinta. Segundo a Secretaria de Transportes, se comparados os números de acidentes com motos nas estradas estaduais no carnaval de 2006 e no de 2007, houve aumento de 32,5%.CAPACETESDesde que a resolução 203 do Conselho Nacional de Trânsito entrou em vigor, no dia 1º de janeiro, a PM autuou 417 motociclistas na capital por usarem capacetes que não atendem às novas normas. Os capacetes precisam ter o selo de certificação do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro) e faixas refletivas nas laterais e na traseira. Quem é flagrado sem os itens fica sujeito à multa de R$ 127,69, cinco pontos na carteira e apreensão do veículo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.