Polícia apreende R$ 10 mil em moeda iraquiana em Bangu 1

A polícia encontrou no último dia 5, no presídio de segurança máxima Bangu 1, uma bolsa contendo 40 notas de 250 dinares, amoeda do Iraque ? o equivalente a R$ 10 mil ?, deixada lá pelo advogado Artur Lourenço da Silva Neto, que representa três traficantes, entre eles Ernaldo Pinto de Medeiros, o Uê. Está sendo investigada a hipótese de que o dinheiro seria usado para comprar armas iraquianas. O advogado ? que defende, além de Uê, seus comparsas Wanderley Soares, o Orelha, e Carlos Roberto Cabral da Silva, o Robertinho do Morro do Adeus ? está sendo procurado pela polícia para explicar por que ele estava com o dinheiro, que é proibido de circular fora do Iraque. Silva Neto deixou a bolsa, dotipo necessáire, no escaninho da sala de visitas do presídio, antes de entrar para visitar seus clientes.Os agentes descobriram que ele tinha esquecido a bolsa ao conferir o sala, no fim do dia. Junto com as notas havia dois carregadores de celular, além de um suporte de mesa para carregador de telefone celular, uma escova de dentes eum creme dental. Silva Neto tentou retornar no dia 6 ao presídio para pegar a bolsa, mas, como era sábado, não foi possível retirá-la, porque o cofre fica fechado nos finais de semana, por questões de segurança. O dinheiro ficou então num cofre de Bangu 1. Ele combinou de retornar na segunda-feira seguinte, mas não apareceu. Em seu lugar, mandou uma outra pessoa, a quem os agentes de Bangu não quiseram entregar a bolsa. A polícia apreendeu a quantia somente no dia 14, seguindo a orientação da promotora Luíza Lane. No mesmo dia a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) foi informada do caso. O delegado Irineu Barroso, da 34ª Delegacia Policial, disse que o advogado já foi intimado várias vezes para depor, mas ele está foragido. Segundo Barroso, o caso estava sendo mantido sob sigilo para não atrapalhar as investigações, mas acabou sendo divulgado hoje porque a informação vazou.No dia 18 de junho, foram divulgadas gravações de conversas do bando do traficante Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, em que o bandido negocia a compra de um míssil do tipo Stinger, usado pela organização terrorista Al Qaeda, de Osama Bin Laden. Aparecem nas fitas as vozes de Beira-Mar e seu comparsa Marcos Marinho dos Santos, o Chapolim, ambospresos em Bangu 1.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.