Polícia apresenta acusado de participar da morte de bombeiro

A polícia apresentou neste sábado, 28, o fiscal de lotada Edvaldo Vieira Brito, de 22 anos, acusado de ter entregue o tenente-coronel bombeiro Kleir Fradique de Carvalho, de 45 anos, aos traficantes da favela Cidade Alta, em Cordovil, na zona norte. Fradique, confundido com integrante de milícia, foi torturado e morto com mais de 10 tiros, pelo menos cinco deles na cabeça. Brito nega ter participado do assassinato. O crime aconteceu na noite de terça-feira. Fradique saiu de uma festa com um sargento e outro tenente-coronel por volta das 19 horas. Como havia bebido muito, seus amigos retiveram sua arma e a carteira funcional. Esqueceram de retirar os dois carregadores para pistola, presos ao cinto. Fradique embarcou num táxi. "Ele estava embriagado. Por algum motivo, desceu do táxi e entrou numa van, a caminho da Cidade Alta, que nada tinha a ver com seu trajeto. Deve ter dormido e acordou no ponto final, na favela", contou o titular da Delegacia de Homicídio, Roberto Cardoso. O motorista da kombi estranhou o volume dos carregadores sob a roupa do bombeiro e alertou Brito. "Ele foi até a boca-de-fumo, avisou aos homens da contenção de que havia um suspeito . Nesse momento, o coronel deve ter se dado conta de que estava em perigo e tentava convencer, sem sucesso, um motorista a levá-lo até Madureira", disse o delegado. Brito voltou com cerca de dez traficantes. Fradique foi amordaçado, teve mãos e pernas amarradas e foi atacado a pauladas por cerca de uma hora. O fiscal negou ter participado da sessão de tortura, mas disse que acompanhou até o fim, quando os criminosos atiraram no bombeiro e jogaram o corpo no valão. "A gente achou que ele era da milícia", afirmou o fiscal. Uma equipe da polícia localizou o corpo de Fradique, preso a uma estrutura de contenção no Rio Irajá. Os policiais interrogaram moradores e chegaram a Brito, que foi preso. Dois dos assassinos foram identificados e tiveram a prisão decretada pela polícia.

Agencia Estado,

28 Abril 2007 | 13h28

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.